Desporto

Interclube supera Petro e vence o campeonato

Silva Cacuti

Jornalista

O Interclube conquistou, domingo, o Campeonato Nacional Sénior masculino de andebol ao vencer o Petro de Luanda, por 26-16, no jogo da final da prova disputada de 10 a 23 do corrente em Luanda. Os campeões nacionais começaram a conquista, com sérias dificuldades. Ainda assim terminaram a primeira parte a vencer por 10-9.

24/06/2024  Última atualização 09H10
Comandados de José Pereira evidenciaram vontade de vencer do princípio ao fim do jogo © Fotografia por: Agostinho Narciso | Edições Novembro

É o resultado mais dilatado dos últimos cinco campeonatos nacionais. Aliás, ao se alterarem as personagens da final, nove anos depois, não se podia esperar outra coisa. Desde 2015, a prova era decidida entre as equipas do Interclube e do 1º de Agosto.

O Intercube foi o primeiro a atirar a bola para o interior da baliza adversária, transcorridos dois minutos e depois de dois ataques desperdiçados para cada lado. O Petro não demorou a seguir-lhe o exemplo.

Começou a marcar também os seus golos, quase sempre, depois do Interclube. Quando se pensava que fosse dar numa final fácil para os de José Pereira "Kidó", o Petro, orientado por André Costa, mostrava que luta pelo troféu.

Ao minuto 20, os petrolíferos chegaram à vantagem no marcador. Com posse de bola para dilatar, falharam a jogada seguinte. A serenidade de Kidó, diante do que se passava na quadra, não era normal. O treinador estava tranquilo, sabia que o seu momento havia de chegar.

Quando entendeu, tirou a primeira equipa. Deixou apenas Giovani Mwachissengue, o guarda-redes. Entraram Jairoslav, o congolês Issassi (único estrangeiro na competição), Nascimento, Cláudio Lopes, Samassolo e, depressa, o Interclube recebeu a dianteira do marcador, estabelecendo 10-9, ao intervalo.

As claques das duas equipas festejavam, mais a do Interclube, que era mais numerosa e, diga-se, tinha mais motivos. O Grupo de dança de criancinhas do Colégio Pitabel, animou a assistência ao intervalo, com brilhantes exibições. Aproveitaram, da melhor forma, o facto do campeonato disputar-se no mês da criança.

Entre as músicas dançadas a "Kabetula", cantada pelas Gingas, crianças de outros tempos, destacou-se. Na segunda parte, o golo petrolífero demorou mais de seis minutos a surgir. Quando aconteceu, já o adversário ia com mais quatro.

Para um plantel reduzido, o cansaço não deixou o Petro jogar ao mesmo nível da primeira parte. O placard final fixou-se em 26-16.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Desporto