Política

Instituto prevê formar mais de 400 auditores

André Sibi

Jornalista

O Instituto de Defesa Nacional (IDN) pretende formar este ano mais de 400 auditores civis e militares em todo o país em matérias de defesa nacional, informou segunda-feira (24), em Luanda, o vice-almirante da Marinha de Guerra Angolana e director-geral do organismo.

25/01/2022  Última atualização 06H50
António Miranda anunciou a meta da instituição no primeiro Anuário de Acção Pedagógica © Fotografia por: Paulo Mulaza | Edições Novembro
António Oliveira Miranda anunciou a meta da instituição durante a cerimónia de apresentação do primeiro Anuário de Acção Pedagógica 2019– 2020, tendo sublinhado que o objectivo agora "é ultrapassar este indicador, alcançado em 2021”. Afirmou que o IDN tem procurado repensar e reformular a necessidade do sector para cultivar o desenvolvimento do pensamento e espírito de defesa nacional no seio da população. De acordo ainda com o responsável, as acções formativas da instituição são influenciadas pelos diferentes fenómenos que ocorrem um pouco por todo o mundo com reflexos directos em Angola.
Quanto aos cursos ministrados pela instituição, precisou que se enquadram no âmbito das acções de carácter pedagógico, cuja base assenta, fundamentalmente, na reflexão e no debate das grandes questões ligadas à segurança e à defesa no seio da população com interesse nesta matéria.  

Anuário
Durante a apresentação do Anuário de Acções Pedagógicas 2019-2020, disse que o documento vai passar a levar para o público leitor informações sobre as acções formativas ministradas pela instituição, jornadas científicas, palestras, conferências e webinars.

O anuário com 126 páginas está distribuído em cinco capítulos. O primeiro retrata o Instituto de Defesa Nacional, o segundo traz a finalidade, objectivo e estrutura dos cursos ministrados pelo IDN.
O terceiro aborda as jornadas de Defesa Nacional, as actividades realizadas no ano pedagógico 2019-2020, bem como os anexos dedicados aos membros da instituição.

Avanços e Covid-19
O vice-almirante aproveitou a ocasião para lembrar que no passado abordar matérias ligadas à segurança e defesa nacional era quase um "tabu", uma realidade que tem vindo a melhorar a cada dia com a introdução dos cursos de Defesa Nacional, hoje ministrados, periodicamente, em todo o território do país.

Na nota introdutória, o director-geral do IDN refere que 2020 foi, profundamente, afectado pelas restrições impostas pela pandemia da Covid-19, que  obrigaram o país a adoptar um conjunto de medidas constantes do Estado de Emergência e Situação de Calamidade Pública.
Com o regresso à normalidade, a instituição tem vindo a adaptar-se para dar sequência à missão de reforço da consciência e cultura de defesa nacional. Entre as acções inicialmente projectadas, só se realizaram a jornada de defesa nacional no município de Cacuaco e o 1º Curso de Defesa Nacional para Investigadores e Consultores Externos.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Política