Cultura

Inocência Mata fala do Poeta Maior

A crítica literária, Inocêncio Mata foi a conferencista, quinta-feira, via Zoom, da última conferência do ciclo “Conversa de Academia à quinta-feira”, por ocasião do Centenário de Agostinho Neto.

24/09/2022  Última atualização 07H45
Escritora foi a conferencista da última edição da iniciativa © Fotografia por: Edições Novembro

Organizado pela Academia Angolana de Letras, Inocência Mata dissertou sobre  "Ficção da memoria na poesia de Agostinho Neto”, na presença  de académicos  de Angola, Arábia Saudita, Brasil e Portugal, sob a moderação  de Mário César Lugarinho, da Universidade de São Paulo.

A académica falou do contexto de ficções, da memória e da estética politica da poesia de Neto, tendo começado por preferir o facto de a literatura e a música terem exercido importante papel no ideal libertador  angolano, destacando o activismo de intelectuais da Geração da Mensagem e poetas da era   seguinte, que difundiam aquilo que Ndunduma designou como angolanidade.

Agostinho Neto integrou a plêiade de poetas politicou angolanos, em conjunto com António Jacinto, Viriato da Cruz, Mário António e Aires de Almeida Santos.

Concretamente, em relação  a Agostinho Neto, Inocêncio Mata destacou uma série de poemas,  vário dos quais com elevada doses de  inteligência verbal. De um modo geral, fez referência  ao messianismo de Neto, que possui ontologia profética marxista.

Se, por um lado, "a poesia de Agostinho Neto foi uma arma portentosa de luta anti-colonial”, por outro Neto  representa a "transformação  da memória individual em memória  colectiva,  a partir do conhecimento  da realidade”-  referiu a professora de literatura  africana. "Estamos a lidar com poema  que encerra uma tematização  de experiências e de vivências , uma poesia com estética  dimensionada  na ideologia  nacionalista ou na ideologia panafricanista”.

Inocêncio Mata acrescentou  que este "projecto libertário incluiu um contra-discurso  dos dominados na releitura do passado”,  com uma "lógica propulsora de mudança”.

Na próxima "Conversa da Academia à Quinta-feira”, agendada para o dia 6 de Outubro, a partir das 19h00,  sob a moderação do escritor Aníbal Simões, o conferencista será o antropólogo António Tomas, da Universidade  de Cabo, que falará sobre a "Cidade de Luanda e a questão urbana”.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Cultura