Regiões

Inaugurado Centro de Hemodiálise em Cabinda

Bernardo Capita | Cabinda

Jornalista

A província de Cabinda ganhou nesta, segunda-feira (17), um Centro de Hemodiálise de Buco Ngoyo, inaugurado pelo ministro da Defesa e Veteranos da Pátria, João Ernesto dos Santos

17/05/2021  Última atualização 15H19
© Fotografia por: Edições Novembro

A infra-estrutura é o primeiro do género na província e vai prestar assistência aos doentes com insuficiência renal crónica na região. Construído numa área de 2. 600 metros quadrados, tem capacidade para atender 240 doentes, distribuídos em três turnos.

A unidade de saúde foi construída com fundos públicos no âmbito de numa parceria entre os Ministérios da Defesa e Veteranos da Pátria e Saúde.

O Centro de Hemodiálise surge para surge para colmatar a gritante falta de serviços de hemodiálise na região, situação que obrigava os doentes a deslocarem-se à Luanda ou mesmo aos países como Congo Kinshasa e Congo Brazzaville em busca de assistência médica e medicamentosa.

Capacidade instalada 

O empreendimento dispõe de áreas de serviços, cinco salas de tratamento, duas de indução de hemodiálise, procedimentos, consultórios médicos, laboratório de analises clínicas, sala de espera para utentes, de produção de ácido concentrado, de electro medicina, farmácia e armazém.

Possui ainda uma sala de distribuição de oxigénio e de tratamento de resíduos hospitalares. Nas áreas de tratamentos, estão instalados 41 monitores garantido a total segurança no que diz respeito a transmissão cruzada de doenças.

A cerimónia de inauguração do Centro de Hemodiálise contou, também, com a presença da ministra da Saúde, Sílvia Lutucuta, o governador provincial de Cabinda, Marcos Nhunga, oficias generais das Forças Armadas Angolanas (FAA) e membros do governo.

Na ocasião, o ministro da Defesa, João Ernesto dos Santos, afirmou que "o Centro de Hemodiálise de Cabinda é uma infra-estrutura que se junta ao conjunto de unidades especiais importante e necessárias para reverter a generalizada pretensão de que o país ainda não possui em quantidade suficiente".

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Regiões