Sociedade

Impedida a violação da fronteira do Luvo

Pelo menos 26 indivíduos oriundos da República Democrática do Congo (RDC) foram impedidos de entrar em território nacional, através da fronteira do Luvo, no cumprimento do Estado de Emergência, que proíbe a circulação de pessoas entre os dois países, como forma de evitar a propagação do Covid-19, anunciou, sexta-feira, em Mbanza Kongo, a Polícia Nacional.

30/03/2020  Última atualização 11H00
Garcia Mayatoko| Edições Novembro | Mbanza Kongo © Fotografia por: Mais de duas dezenas de cidadãos do Congo Democrático foram impedidos de entrar no país

De acordo com o porta-voz da delegação do Ministério do Interior no Zaire, subinspector prisional, Carlos Fidel, que procedia ao balanço das actividades da corporação a nível da província, os imigrantes ilegais foram interpelados na calada da noite no Luvo, a 62 quilómetros de Mbanza Kongo, quando tentavam violar a fronteira, através de caminho “Fiote”, um canal usado por estrangeiros para entrar em território angolano.

“Estes 26 cidadãos congoleses, tentaram a todo custo violar a fronteira entre a RDC e Angola, mas a pronta intervenção da Polícia Nacional impediu a sua entrada e de seguida, aconselhados a regressarem para o país de origem”, disse Carlos Fidel referindo que continuam encerradas as fronteiras terrestres, fluviais e marítimas na província do Zaire, em cumprimento do Decreto Presidencial”. Falando sobre o Estado de Emergência, em vigor desde às zero horas de ontem, Carlos Fidel sublinhou que as forças policiais estão destacadas em diferentes pontos das sedes municipais, para de forma pedagógica, sensibilizar a população.
“As forças policiais estão nas principais artérias das sedes municipais e por se tratar do primeiro dia, a nossa acção é pedagógica. Estamos a sensibilizar as populações no sentido de cumprirem com as medidas resultantes do Decreto que proíbe a aglomeração de pessoas”.
No entanto, os mercados devem funcionar apenas para venda de produtos da cesta básica, mas os moto-taxistas estão proibidos de exercerem a sua actividade”, esclareceu o oficial.
Para melhores resultados da sua acção, o porta-voz da delegação do Ministério do Interior no Zaire, disse que os efectivos do Serviço de Protecção Civil e Bombeiros estão a desenvolver um trabalho de sensibilização porta-a-porta nos bairros periféricos da cidade de Mbanza Kongo.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Sociedade