Cultura

Idimakaji comemora aniversário com várias actividades culturais

O grupo Idimakaji está a realizar, desde o princípio do ano, várias actividades so-cioculturais e artísticas, em Luanda, que vão encerrar com um encontro de reflexão e confraternização sobre a “Música Folclórica Nacional” na primeira quinzena de Março para saudar o seu 24º aniversário, comemorado no dia 12 do corrente mês.

18/02/2021  Última atualização 14H15
Grupo está em estúdio a terminar o segundo disco de originais “Kadia Pemba” que deve ser apresentado ainda este ano © Fotografia por: DR
Neste encontro,  está prevista a participação do grupo União Jovens do Mukuaxi, do município da Maianga, além de integrantes de outros grupos folclóricos da capital.O programa de actividades, arrancou no passado dia 29 de Janeiro, dia em que os integrantes do grupo se deslocaram até à localidade de Caculo Cazombo, Catete, terra natal do malogrado Mestre Camosso, para actuar num encontro de confraternização, alusivo ao seu aniversário natalício. No encontro interpretaram o tema "Camosso Uela Ningila ya Mbote”.

No seguimento das actividades comemorativas a mais um aniversário do grupo, os seus integrantes participaram recentemente num espectáculo comemorativo ao segundo ano de existência do projecto "Kihoje Produções”, onde acompanharam instrumentalmente, com o suporte da banda local, os cantores Lulas da Paixão, Pedro Cabenha e Zé Mix.

De acordo com o programa de actividades a que o Jornal de Angola teve acesso, consta a participação do grupo Idimakaji na edição especial do Carnaval Live de Luanda, transmitido e realizado a partir do Centro de Produções da Televisão Pública de Angola (TPA). No dia 28, está prevista a participação do grupo no live promovido pela Polícia Nacional, para saudar mais um aniversário desta corporação que se assinala no mesmo dia.
Disco na forja

O responsável do grupo e porta-voz, Adão José "Fabião”, informou ainda ao Jornal de Angola, que o Idimakaji está a terminar o segundo disco de originais, "Kadia Pemba”, que narra a história de um senhor perigoso, com múltiplas personalidades. O disco, disse, está em fase de produção e masterização. Sublinhou que  falta apenas alguns acertos na colocação das vozes nas canções de Dom Caetano e Dionísio Rocha. Os problemas socioculturais são o foco do CD, que traz 11 faixas, com  a aparticiapação do grupo carnavalesco União Jovens do Mukuaxi da Maianga. A maioria das canções, explicou, desperta a sociedade para a crescente delinquência, o desrespeito aos mais velhos, a importância da cultura de paz, o actual sistema de educação e saúde, assim como a infidelidade e a necessidade da preservação do património material e imaterial do país.

O "Kadia Penda”, de acordo com o responsável, já estava para chegar ao mercado há seis anos, mas teve o lançamento adiado, inicialmente, devido a problemas financeiros e agora devido  à pandemia da Covid-19.  O disco inclui temas em kabetula, rumba, varina e semba, resultado de uma recolha feita, sobretudo, nas regiões de Bom Jesus, Kabala, Mazozo, Zambela e Caxito. O disco, que está a ser gravado em Luanda, sob a direcção artística do guitarrista Kintino, da Banda Movimento, satiriza algumas situações do quotidiano, à semelhança do que faziam antigamente os grupos carnavalescos da capital, disse Fabião.
Disco "Antonica”

Do seu vasto repertório, consta já um disco que fez bastante sucesso, denominado "Antonica”, lançado em 2002, gravado nos estúdios do T Pilardes, em Luanda. As músicas do CD foram interpretadas em kimbundu e retratam as-pectos socioculturais do país, em particular de Catete, Bom Jesus, Mazozo e Kabala, e resultam de um trabalho de investigação sobre o semba, rebita e kabetula.O grupo continua a divulgar os temas do primeiro disco de forma a deixar um legado sobre a cultura angolana para as gerações vindouras, adiantou Fabião, também executante de dikanza.
Faltam incentivos

Fabião continua indignado pelo facto de o Idimakaji até hoje não ter recebido os subsídios de participação no espectáculo de abertura e encerramento da segunda edição do Festival Nacional da Cultura (Fenacult), realizado em 2014, sob o lema "A Cultura como Factor de Paz e Desenvolvimento”.Em sentido contrário, o líder do grupo felicitou a organização da Trienal de Luanda, a cargo da Fundação Sindika Dokolo, por ter divulgado a cultura angolana. "É um projecto que não deveria parar por ser inclusivo e integrar todas as disciplinas artísticas”, sublinhou.

Para o executante da dikanza, a falta de espaços para a realização permanente de actividades músico-culturais, no país, tem se tornado um dos grandes obstáculos para a contínua divulgação do folclore nacional como forma de transmitir o legado às novas gerações. "O Ministério da Cultura, Turismo e Ambiente tem a responsabilidade de fazer um pouco mais para ajudar a preservar os géneros musicais de raiz. Acreditamos na sensibilidade do ministro Jomo Fortunato, por ser uma pessoa muito preocupada com a valorização do mosaico cultural nacional em todas as vertentes”.

O Idimakaji foi fundado em 1997. Em 2002, o grupo gravou o primeiro CD "Antonica”. Ao longo da carreira participou em várias actividades culturais e festivais no país e no estrangeiro, tendo a última representação internacional acontecido em Novembro de 2010, em Viena de Áustria, Croácia e Eslovénia, no âmbito das comemorações dos 35 anos da Independência de Angola. Actualmente o grupo é formado por Fabião (dikanza e coros), Tony do Hungo (hungo), Elias Paulo (tambor, baixo e voz) e Arnaldo Nzila "Zando” (tambor, voz e baixo) e bailarinas.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Cultura