Política

Huambo encerra processo de reintegração de ex-militares

O secretário de Estado para a Acção Social, Lúcio do Amaral, procedeu, na Quinta-feira, ao encerramento do processo de reintegração social de 5 mil 749 ex-militares, na província do Huambo, numa acção iniciada em 1992, no âmbito dos Acordos de Paz de Bicesse, de Lusaka e do Memorando de Entendimento do Luena.

25/11/2022  Última atualização 10H26
Foram entregues ferramentas de trabalho aos ex-militares © Fotografia por: Edições de Novembro

Lúcio do Amaral declarou que com a conclusão do processo de apoio aos ex-militares foi possível a conclusão e actualização do Sistema de Informação de Gestão, que possibilitou o recadastramento dos efectivos remanescentes e a depuração dos mesmos que totalizou os cerca dos 5 mil 749 ex-militares reintegrados.

"Hoje, com a entrega de 30 kits, sendo 11 da componente de comércio e 19 agrícolas, concluiu-se o processo de reintegração dos ex-militares na região do Planalto Central”, frisou o governante.

Lúcio do Amaral afirmou que o Huambo é a quinta província do país a encerrar o processo de reintegração, depois do Zaire, em 2019, Bié, em Junho de 2022, Uíge, em Agosto de 2022 e Moxico, em Outubro de 2022.

O secretário de Estado para a Acção Social garantiu que a reintegração sócio-produtiva dos ex-militares constitui um pilar fundamental para o reforço da paz, harmonização e coesão nacional, bem como para a consolidação do processo democrático em Angola, sendo uma tarefa prioritária do Executivo.

O processo de reintegração dos ex-militares, recordou, previa a reintegração de 241 mil e 400 ex-militares licenciados no âmbito dos acordos de Paz de Bicesse, Lusaka e do Memorado do Entendimento do Luena, entre o Governo e a Unita.

Referiu que deste número, a maioria foram reintegrados e registados no Sistema de Informação e Gestão (SIG) em 2017. E um total de 160 mil 863 ex-militares acabaram de ser reintegrados ontem.

Segundo o secretário de Estado, o titular do poder Executivo está preocupado com a protecção, dignidade e a conclusão do processo de reintegração total dos ex-militares, tendo disponibilizado 604 tractores e respectivas alfaias, que têm permitido a inclusão produtiva, bem como aumentar a capacidade de produção das cooperativas agrícolas com objetivo de concretizar as metas traçadas para o ano de 2022.

No Huambo, Lúcio do Amaral fez a entrega de 41 tractores a 38 cooperativas e anunciou outros programas, visando abranger a maioria dos ex-militares que foram cadastrados neste processo.

"A conclusão do processo de reintegração dos ex-militares que hoje (ontem) encerra na província do Huambo é fruto do empenho de uma equipa multidisciplinar sob tutela do Presidente da República, João Manuel Gonçalves, Lourenço, que elegeu como uma das prioridades do seu mandato o reforço do apoio da reintegração dos ex-militares”, destacou.

Ao ler uma mensagem em nome dos ex-militares, André Leonardo reconheceu o esforço do Executivo visando acções no quadro do processo de reintegração social, desde os Acordos de Bicesse e do Memorando do Luena.

"Hoje (ontem) é um dia especial para nós, por termos sido  contemplado com kits agrícolas e de comércio para fomentar a actividade agrícola na comunidade. Penso que isso vai ajudar, de certa forma, a aumentar as áreas de cultivo com vista a melhorar a dieta alimentar no seio das comunidades,” frisou o porta-voz dos ex-militares reintegrados.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Política