Sociedade

Hospital Prisão de São Paulo atende 300 reclusos

Alberto Quiluta

Jornalista

O Hospital Prisão de São Paulo (HPSP), em Luanda, atende diariamente entre 200 a 300 reclusos com diversas patologias, revelou, quinta-feira, o director-geral da unidade, superintendente prisional chefe Silva Manuel.

14/05/2022  Última atualização 09H20
© Fotografia por: DR

Os dados foram apresentados durante o I Workshop de Enfermagem, que decorreu sob o lema "Qualidade na Assistência de Enfermagem no Hospital Prisão de São Paulo”, no quadro das comemorações do 12 de Maio, Dia Internacional do Enfermeiro.

Nessa actividade, foram abordados temas como a "Enfermagem no HPSP”, "Humanização na Assistência de Enfermagem”, "Triagem de Manchester”, "Papel do Enfermeiro na Prevenção da TB nas Comunidades” e "Os Cuidados de Enfermagem ao Paciente com TB”.

Silva Manuel pediu, em função do número de pacientes que acorrem à instituição, que se recrute mais técnicos para o estabelecimento, com vista a fazer face à procura pelos serviços ali existentes.

O médico, apesar de reconhecer que a missão dos enfermeiros requer sacrifícios, mas defendeu o reforço de técnicos para a instituição, tendo em conta que deve assegurar a assistência médica e padronizada aceite aos reclusos.

Neste momento, o HPSP conta com um quadro de pessoal composto por 38 enfermeiros, entre licenciados, técnicos médios e auxiliares.

Quanto ao workshop, o superintendente prisional chefe disse que o evento enquadra-se nas estratégias para melhorar os serviços prestados aos reclusos.

O director-geral referiu que o número ínfimo de especialistas na instituição cria constrangimentos aos serviços, mas os poucos técnicos têm sabido dar respostas aos casos que chegam à unidade, no quadro das normas internacionais da saúde.

Silva Manuel sublinhou que a situação social dos profissionais de Enfermagem ainda carece de maior atenção, principalmente em aspectos ligados à formação nas especialidades.

No HPSP, os reclusos beneficiam de assistências nas áreas de Cirurgia, Infectologia, Ortopedia e Medicina.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Sociedade