Sociedade

Hoje é dia Nacional do Idoso: Actores sociais estão preocupados com o desrespeito aos mais velhos

Edna Mussalo

Jornalista

O desrespeito aos idosos e a colocação destes num plano social secundário na vida de muitas famílias angolanas é uma questão que preocupa muito a Associação de Amizade e Solidariedade para com a Terceira Idade (AASTI), avançou nesta terça-feira, em Luanda, a presidente da organização.

30/11/2022  Última atualização 08H00
Protecção pelo os idoso © Fotografia por: Arquivo

Emília da Sílvia de Almeida pediu, por ocasião do Dia Nacional do Idoso, celebrado hoje, uma maior valorização da pessoa idosa, através da Constituição e de Leis de Protecção à 3ª idade.

Os idosos, continuou, em especial os que em idade de reforma estavam vinculados à função pública ou outros serviços conseguem usufruir dos benefícios da segurança social. "Porém, a maioria dos idosos vive numa condição difícil e sob dependência dos familiares. Eles não têm uma pensão da Segurança Social, mas deveriam, ao menos, ter um subsídio de velhice. É isso que a lei de protecção orienta. Mas isso não acontece”, destacou.

O lugar do idoso, defendeu, deve ser no meio familiar e não em lares. "Estes espaços de internamento devem ser o último recurso, pois os idosos precisam de locais para interagir e ter tempo de lazer”.

A AASTI, destacou, tem um lar no Cassequel do Lourenço, denominado "Kudissanga Kua Makota”, onde 85 idosos fazem refeições, ocupam os tempos livres e aprendem determinadas artes, assim como recebem assistência médica e medicamentosa.

Para Emília da Sílvia de Almeida, locais de lazer para os idosos devem ser implementados nos diversos bairros do país, para facilitar a inserção destes na sociedade. "É uma forma de não se sentirem excluídos. Estes espaços deveriam funcionar com a colaboração do Estado. Seria uma forma de tornar o idoso numa pessoa útil”, defendeu, além de acrescer que o centro "Kudissanga Kua Makota” funciona diariamente das 7h30 às 15h00.

 

Preocupações

A perda dos valores morais na actual sociedade, que relega a pessoa idosa para um terceiro plano é uma questão preocupante, no entender da presidente da AASTI. "Peço às famílias para reflectir mais quanto à responsabilidade dos cuidados dos idosos”.

A AASTI, explicou, é uma associação de natureza social e educativa de carácter voluntário, sem fins lucrativos, criado em 2002, com o objectivo de apoiar os idosos, sobretudo os desfavorecidos. A organização pretende trabalhar com o Governo na melhoria da qualidade de vida da pessoa idosa. As linhas de força da associação assentam na promoção dos direitos de protecção contra a violência psicológica e física a terceira idade, a saúde e o direito à participação, lazer e recreação. Uma das principais dificuldades da associação têm sido as questões financeiras.

O objectivo da associação, destacou, é estender a acção da associação a outros municípios e províncias, pois actualmente só têm representação no Zaire.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Sociedade