Reportagem

Historiador Patrício Batsikama: A retoma da dignidade humana

As influências tocoístas situavam-se em, por um lado, realizar rituais que empolgaram a coragem dos protagonistas. As circunferências de influência tocoísta rentabilizaram a circulação de instruções com rapidez e sigilo.

17/03/2022  Última atualização 07H30
© Fotografia por: DR

A produção dos factos no dia 15 de Março de 1961 pode ser compreendida coligando diferentes "olhares”. Vou apresentar a minha. O pastor Pedro Sadi foi contactado no Domingo, dia 5 de Março de 1961, por angolanos escolarizados que lhe pediram ajuda para mobilizar a juventude angolana nas suas liberdades cívicas e económicas. Na sexta-feira, dia 10/03/1961, os emissários oriundos de Léopoldville chegaram e foi descodificada a mensagem "casamento da filha de Nogueira: cortar árvores e limpar bem aldeias”.

 A descodificação foi amplamente partilhada no Domingo, 12/03/1961, depois do culto em diferentes zonas dos distritos de Congo, Malanje e não só. Importa olhar quatro cenários:

 1 - A preparação dos elementos da UPA levou oito meses e três semanas;

 2 - Todos os "pretos” aliados do opressor "branco” eram traidores e opressores também e isso custou a vida de inúmeros contratados Ovimbundu;

3 - 15 de Março é em pleno tempo da chuva e isso dificultaria ao Exército colonial dar uma resposta imediata;

4 - A distribuição de responsabilidades não foi devidamente hierarquizada, de maneira que o ódio e a vingança nortearam o comportamento de vários revoltados.

 Daí Holden Roberto dizer: "O povo reagiu e a reacção do povo foi incontornável. Mas a maneira como o povo reagiu, custou-me”.  Já Emanuel Kunzika confidenciou-nos: "Não calculámos os excessos do povo. Por razões cristãs, os nossos homens (do PDA) ponderaram as instruções (da UPA), mas tudo estava acima do tempo. Era preciso agir. E eles agiram”.

 As influências tocoístas situavam-se em, por um lado, realizar rituais que empolgaram a coragem dos protagonistas. As circunferências de influência tocoísta rentabilizaram a circulação de instruções com rapidez e sigilo.

 Na região de Ndembo e Nambuangongo, "a execução das instruções da Folha (entenda a mensagem de 10/03/1961) superou o entendimento dos chefes”, confessa-nos Paulo Muginga, que integrava a ENLA. Ndombele Fernando disse-nos: "A proeza do cometimento do 15 de Março inspirou-nos (dirigentes) a, doravante, medir as consequências dos nossos planos (de acção)”. 

Claro que Portugal respondeu às chacinas de 15 de Março com a mesma moeda. Mas não recuperou rapidamente o controlo dos locais onde esses actos foram cometidos.

 A nível internacional, a UPA ganhou visibilidade depois de reivindicar a autoria desta "gesta” independentista. No final de Agosto de 1961, toda a região da revolta foi recuperada pelos portugueses, mas era despovoada ou com densidade insignificante. As populações exilaram-se na República Democrática do Congo.

No dia 27 de Março de 1961, estava decidida a criação da FNLA, que juntava UPA e PDA, para melhor coordenar as acções. No início de Agosto de 1962, as populações começaram a regressar, principalmente nas regiões fronteiriças: Simão Gonçalves Toco tinha ido sensibilizar o regresso à vida normal, recomendando "não filiar a UPA ou a um partido verdadeiramente cristão”. Isto é, era necessário não banalizar a vida humana e evitar o racismo e o tribalismo.

A data de 15 de Março de 1961 pressupõe o sentimento da pertença e o da retoma da dignidade humana.

 

*Patrício Batsîkama

*Historiador



CRONOLOGIA


1955:

Morte do Rei do Kongo. Sucessão aberta: colonialistas portugueses apoiam elite católica, cresce contestação de cariz protestante, que leva à criação da UPNA, para a restauração do Reino do Kongo.

 1956:

Viriato da Cruz escreve, em Luanda, manifesto, manuscrito, de urgência, para a criação de uma frente nacionalista e de um amplo Movimento Popular de Libertação Nacional.

 1958:

Holden Roberto, líder da UPNA, presente na I Conferência dos Povos Africanos, em Accra, capital do Ghana. Franz Fanon pressiona Holden Roberto a abandonar a sigla UPNA e transformá-la em UPA.

 1959 :

Vaga de prisões políticas feitas em Luanda e no planalto central.

 

1960:

Janeiro - Segunda Conferência dos Povos Africanos, em Tunis, capital da Tunísia. Presente o AAC - Movimento Anti-colonial, com Lúcio Lara e Viriato da Cruz. Holden Roberto também está presente.

 Junho, 8 - prisão de Agostinho Neto. População de Icolo e Bengo manifesta-se contra a prisão e é metralhada, mais de 200 mortos.

 MPLA, a partir de Conakry, faz apelo ao Governo português para negociações e solução pacífica para a questão de Angola. Em vão ...

 30 - Independência do Congo, colónia belga.

 Dezembro: Mário de Andrade, Viriato da Cruz e Américo Boavida na Câmara dos Comuns em Londres. Levantam hipótese de passagem à "acção directa” (via armada da luta);

 Conselho de Segurança da ONU, Resolução nº 1514 (XV) sobre a concessão da Independência aos países e povos coloniais. ONU deixa de reconhecer as "províncias ultramarinas portuguesas” como parte integrante de Portugal.

 Primeira Direcção do MPLA no exterior: Mário de Andrade, Viriato da Cruz, Hugo de Menezes, Eduardo Macedo dos Santos, Lúcio Lara, Azevedo Júnior, Matias Miguéis.

 Primeiro Plano de Acção Psicológica para as populações africanas do Comando Militar de Angola, assinado pelo comandante militar general Monteiro Libório.

 

1961:

Janeiro, 4 - levantamento das populações da Baixa de Cassanje, impedidas pela empresa majestática luso-belga Cotonang de cultivar as suas lavras, sendo forçadas a plantar algodão. Repressão muito violenta com meios militares faz muitos mortos entre os camponeses. Companhia de Caçadores do exército português só a 27 de Fevereiro anuncia a "pacificação” da região.

 20 - John Kennedy, novo Presidente dos EUA, mantém contactos informais com Holden Roberto.

 22-23 - O oficial do exército português Henrique Galvão assalta o navio de passageiros "Santa Maria” e hesita entre levá-lo para o Brasil ou para Luanda.

 28 - Dezenas de jornalistas mundiais em Luanda para cobrirem a possível chegada do navio desviado "Santa Maria”.

 Fevereiro, 4 - Ataques em Luanda, por grupos de nacionalistas, à Casa da Reclusão (cadeia política), à Esquadra Móvel da Polícia (os "Araracuaras”) e à cadeia de S. Paulo. Repressão sangrenta por parte da população branca contra a população negra deixa pelo menos 5 mil mortos.

 7 - Portugueses criam a base militar do Negaje, onde operam aviões Auster, Dornier e Harvard T-6.

 Agostinho Neto com residência fixa em Cabo Verde e Joaquim Pinto de Andrade em São Tomé.

 Março, 15 - Ataques no Norte de Angola, com início em Kitexi, que posteriormente se generaliza até aos Dembos e até ao mar, faz pelo menos 2.000 colonos mortos.

 17 - Dois dias depois do primeiro ataque dos nacionalistas a Kitexi, as autoridades coloniais iniciam uma ponte aérea para Luanda, com mulheres e crianças brancas. Em Luanda, cerca de 500 brancos cercam o consulado norte-americano e atiram à baía o carro do cônsul William Gibson.

 20 - Começa a discussão sobre Angola na Assembleia Geral da ONU, tendo Portugal abandonado a sessão, como protesto, ante a avassaladora força do grupo afro-asiático.

Fundada, em Casablanca, Marrocos, a CONCP (Conferência das Organizações Nacionalistas das Colónias Portuguesas), que deixa a UPA de fora mas incorpora a Liga de Goa.

 31 - Em Luanda, o cónego Manuel das Neves, vigário-geral da Diocese de Luanda, é preso e deportado para Portugal.

 A Libéria, país independente da África Subsaariana, apresentou na ONU uma moção, condenando Portugal "por fazer perigar a paz mundial” em Angola.

 Abril, 10 - Exército português sofre duro revés na batalha do Úcua.

 13 - Primeiro-Ministro português abraça a pasta da Defesa e conclama na TV: "Para Angola, depressa e em força!”.

 17 - Primeiro ataques dos nacionalistas à Damba.

 19 - Primeiro contingente militar português por via aérea desembarca em Luanda.

 21 – Segundo contingente, por via marítima.

 Maio, 1 - Adriano Moreira, novo ministro do Ultramar português, desembarca em Luanda, onde preside, no Palácio do Governo, a um comício e depois a um desfile das forças armadas portuguesas.

 O governador-geral Silva Tavares, natural de Cabo verde, é substituído pelo general Venâncio Deslandes, que acumula o cargo com a pasta de comandante-chefe das forças armadas portuguesas em Angola.

 13 - A urgência de aprovisionar o Norte com mais contingentes militares era tal que, com carácter de urgência, portugueses organizam uma coluna de 150 jipes, 20 camiões de quatro toneladas e 6 camiões-tanque.

 
Mbanza Kongo é atacada pelos nacionalistas.

 31 - Quinto ataque dos nacionalistas à Damba, agora defendida por um contingente militar português.

 Junho,13 - A guerra generaliza-se a quase toda a vastidão do Norte de Angola e nesta data o exército português anuncia que o Lucunga é o primeiro posto administrativo a ser reocupado.

Os portugueses sofrem 30 baixas e, na iminência de ataques em Cabinda, forças da marinha de guerra portuguesa começam o patrulhamento regular do rio Kiloango.

 Os portugueses criam e regulamentam os Serviços de Centralização e Coordenação de Informação de Angola-SCCIA.

 Com a guerra de libertação generalizada no Uíge, Zaire e até Kwanza Norte, com os guerrilheiros portadores já de algumas armas automáticas, é publicado o primeiro comunicado oficial das Forças Armadas portuguesas, referindo a morte de 50 militares, entre 4 de Fevereiro e 30 de Junho em Angola.

 Julho - Kitexi é desintegrado do Distrito do Kwanza Norte e passa a depender do Uíge, para facilitar a reacção colonial aos ataques nacionalistas e para a afastar da zona dos Ambundu (língua kimbundu).

 Agosto, 9 - As tropas portuguesas comandadas pelo tenente-coronel Maçanita reocupam Nambuangongo, o principal reduto dos nacionalistas, após cerca de cinco meses de ocupação.

 Setembro, 15 - Portugueses anunciam ter ocupado militarmente todo o Norte, mas a luta nacionalista prosseguirá.

 No fim do mês, o Comité Director do MPLA transfere a sua sede de Conakry para Leopoldville (Kinshasa)

 Outubro - O ministro do Ultramar português, Adriano Moreira, percorre algumas áreas do Norte de Angola

 7 - O novo governador-geral de Angola, Venâncio Deslandes, dá por findas as operações militares no Norte de Angola, "passando-se à fase das operações de polícia”.

 9 - Uma coluna militar vinda de Matadi, no Congo, comandada pelo nacionalista Tomás Ferreira, líder de um Movimento Democrático de Libertação de Angola (MDLA), com o apoio da recém-instalada direcção do MPLA em Leopodville, foi destruída por elementos da UPA nos Dembos.

 Novembro, 27 - O governador-geral de Angola anuncia "nova actividade terrorista» no Norte do território"

 Dezembro, Soldados portugueses são 33.477, cinco mil dos quais locais. Mortos: 121.

 Luandino Vieira escreve "Luuanda”, premiado em 1965, pela Sociedade Portuguesa de Escritores, cuja sede é destruída pela polícia política PIDE.

 1962:

Dados da Cruz Vermelha: mais de 300 mil refugiados angolanos no Congo. Largas dezenas de milhares de mortos.

 Primeira cisão na FNLA (UPA mais PDA tokoísta), pelo major Cassanca, chefe do Estado Maior do ELNA: "A luta no Norte é uma luta fratricida”.

 MPLA forma o seu primeiro grupo armado, o "Grupo de Tlemcem”, com militares formados na Argélia.

 Portugueses criam Comandos, Tropas especiais (TE), Grupos Especiais (GE), Pára-quedistas (GEP) e organizam milícias civis para maior eficácia na contraguerrilha.

 Agosto - MPLA e FNLA reúnem-se para apreciar proposta de Kwame Nkrumah para acordo. FNLA rompe negociações.

 Dezembro, 1-3 - I Conferência do MPLA, em Leopoldville (Kinshasa), elege para presidente Agostinho Neto, que tempos antes tinha fugido de barco de Portugal, ajudado pelo Partido Comunista Português. Mário de Andrade abandona a direcção do MPLA.

1963:

Conferência do MPLA expulsa Viriato da Cruz, por "actos de indisciplina que podem minar a unidade”.

 Primeiro-Ministro congolês Ciril Adoula ordena a expulsão do MPLA do país. OUA reconhece FNLA e GRAE.

 Jonas Savimbi vai a Moscovo em busca de apoio para o GRAE. Álvaro Cunhal, do Partido Comunista Português, impede o prosseguimento das negociações.

 1964:

Comunicado das Forças Armadas Portuguesas em Angola informa que de 5 a 12 de Fevereiro de 1964 continuou a haver grande actividade militar, com 19 feridos, em vastas regiões como o rio Kwanza, rio Mbridje, Dembos, serras do Uíge e de Mucaba, Cabinda, Negaje.

 

Compilação: Rui Ramos

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Reportagem