Política

“Há muito por fazer em todos os domínios na província”

A situação sócio-económica do Cunene não é das melhores, reconheceu a governadora Gerdina Ulipame Didalelwa, assinalando como constrangimentos a falta de água, a seca e todas as consequências daí decorrentes, exiguidade de quadros para alavancar os principais sectores da vida, insuficiência de dinheiro, muito necessário para a implementação de inúmeros projectos, poucas escolas e hospitais com capacidade de realizar diagnósticos e a inexistência de vias de comunicação.

09/01/2022  Última atualização 05H00
Governante reconhece as debilidades no sistema de ensino com a falta de salas de aula © Fotografia por: DR
"Na área social, continua a braços com problemas ligados à Saúde e Educação, agravados pela seca e pela pandemia da Covid-19. Na área económica, há falta de verbas ou a insuficiência, para que os inúmeros problemas sejam resolvidos. Naturalmente que não é este o cenário que queremos, uma vez que o ser humano é, por essência, insatisfeito. Quer sempre mais e mais. Há ainda muito por fazer, em todos os domínios da vida da província”, disse à Angop em finais de 2021.

Gerdina Didalelwa destacou as zonas com potencial produtivo, reconheceu a energia eléctrica, como factor de sustentação do desenvolvimento económico do Cunene. Disse que só a seca afecta 514.855 pessoas, que correspondem a 109.544 famílias, além de 2.619 refugiados, na Namíbia, em consequência dela, com proveniências diversas, Cunene e Huíla.

Referiu que há ainda 4.684 pessoas acolhidas em centros de deslocados, situados nos municípios da Cahama, Namacunde, Ombadja, Cuanhama e Cuvelai, acrescentando que, por causa da seca, continuam fechadas, até ao momento, 10 escolas no Curoca. Para piorar a situação, a província foi assolada pela praga de gafanhotos, que destruiu 908 lavras, nos municípios do Cuanhama, Namacunde e 19 hortas de pequenos empreendedores, na comuna do Chitado, tendo deixado em precariedade alimentar 10.183 pessoas.

 Ainda no âmbito da mitigação dos efeitos da seca, encontram-se em curso, na província, projectos estruturantes sobre a transferência de caudais a partir do rio Cunene, na secção do Cafu, para Namacunde, Cuamato (Ombala yo Mungo) e Dombodola, a construção das barragens 128 de Calukuve e 71 de Ndué, com os canais adutores associados.


Força Tarefa

Relativamente à comissão, designada por Task Force ou Força Tarefa, ainda está na fase de arranque, embora se possa afirmar que ela já foi criada e terá a sede no município do Curoca. Neste sentido, o Governo Provincial trabalha com o Executivo Central para que  funcione, na Cahama, por razões operacionais.

Didalelwa informou que em 2021 recebeu do Executivo 1.583,998 toneladas de produtos diversos, das quais 103,78 adquiridas a partir do empresariado local, além de o Governo Provincial ter conseguido 295,750 toneladas e 345.500 provenientes de parceiros sociais. Disse que a província contará até Fevereiro próximo com o primeiro projecto estruturante e os outros, provavelmente, dentro de dois anos.

Apontou que o impacto destes projectos será, certamente, muito grande na vida das populações, sobretudo, as residentes próximas do curso deles, mas, devido às características territoriais extensas da província, "tudo indica que o cenário da seca irá repetir-se ainda em algumas regiões do Cunene.


Projectos em curso

Existem projectos, em carteira e outros em execução e com previsão de entrada, num breve espaço de tempo. Sobre isso, a governadora apontou a elaboração de Planos Directores Municipais, a conclusão do Projecto da Zona Económica Especial (ZEE) da província do Cunene, em Calueque, a criação de um pólo agrícola, na zona do Cubati (Cuvelai).

"Prevemos, também, apoiar, em termos de fornecimento de energia eléctrica, crédito bancário e a melhoria das vias de acesso aos empresários/fazendeiros, que produzem cereais em grande escala, no corredor da Canganda. Outro projecto em curso é construção da Centralidade do Cunene, com mil habitações.

No domínio da melhoria do fornecimento de energia eléctrica, está em curso a montagem de turbinas a gás, para a electrificação da cidade de Ondjiva, cujo plano transversal inclui ainda a terraplenagem da estrada Otchinjau-Oncócua, a conclusão da construção da rodoviária Ondjiva-Omala, bem como trabalhos na vianhanca-Oshimolo.

  No que concerne ao sistema de ensino, disse que a província regista, neste momento, 52.180 alunos estão fora do sistema de ensino e 82.712 a estudar.  

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Política