Mundo

Guterres exige à junta militar “calendário eleitoral aceitável”

O secretário-geral da ONU, António Guterres, exigiu, ontem, à junta militar no poder no Mali que apresente “um calendário eleitoral aceitável”, um dia antes das manifestações convocadas pelos militares para protestar contra as sanções impostas pela CEDEAO.

14/01/2022  Última atualização 06H40
© Fotografia por: DR
"É absolutamente essencial que o Governo do Mali apresente um calendário aceitável para realizar eleições”, disse Guterres durante um encontro com a imprensa.

António Guterres acrescentou que espera "contactar rapidamente” as novas autoridades em Bamaco.
Se for apresentado "um calendário aceitável e se o Governo maliano tomar medidas nesse sentido, haverá um levantamento gradual das sanções” - encerramentos de fronteiras, medidas económicas e financeiras - decretadas domingo pela Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), recordou António Guterres.

"Estou a trabalhar com a CEDEAO e a União Africana para criar as condições que permitam ao Governo do Mali adoptar uma posição razoável e aceitável para acelerar uma transição que já se arrasta há muito tempo”, disse ainda.

Tal poderia "permitir um restabelecimento da normalidade nas relações entre este Estado e a comunidade internacional, a CEDEAO em particular”, vincou António Guterres.

As sanções impostas domingo pela CEDEAO são uma resposta ao plano da junta militar de continuar a liderar o país durante pelo menos cinco anos, em vez de organizar eleições presidenciais e legislativas em 27 de Fevereiro, conforme se tinha comprometido antes.

Dois dias depois, na terça-feira, a junta militar pediu aos malianos que se manifestassem sexta-feira contra essas sanções, assumindo-se aberta ao diálogo.

O actual Governo do Mali resultou de dois golpes de Estado, em Agosto de 2020 e Maio de 2021, após o impasse na luta contra o terrorismo 'jihadista'.

Chegados ao poder, os militares malianos contrataram a empresa privada russa Wagner para a ajudar no combate antiterrorista, em resposta à diminuição do dispositivo liderado pela França nas acções de combate aos grupos 'jihadistas' que têm mantido o país a ferro e fogo.

O novo poder em Bamaco tem até agora negado qualquer destacamento de mercenários russos no país, admitindo, no entanto, a presença de formadores russos, a par de formadores europeus.

Quinze países envolvidos na luta contra os 'jihadistas' no Mali, incluindo Portugal, denunciaram em 23 de Dezembro o destacamento da empresa russa Wagner naquele país e o envolvimento do Governo da Rússia no apoio logístico.

A França, que mantém milhares de militares no Sahel a lutar contra a ameaça 'jihadista', tentou em vão dissuadir Bamaco de contratar os serviços do grupo russo Wagner.

Numerosos instrutores russos foram enviados nas últimas semanas, especialmente para a região de Tombuctu, segundo responsáveis oficiais militares malianos.


Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Mundo