Economia

Grupo Genea investe 90 milhões de dólares

A Genea Angola, grupo de capitais privados que actua no sector da construção civil e promoção imobiliária, investe, a partir do próximo ano, quase 90 milhões de dólares em projectos industriais em Luanda e Cabinda, soube o Jornal de Angola junto do director de Novos Projectos.

24/09/2019  Última atualização 09H06
Vigas da Purificação | Edições Novembro © Fotografia por: Condomínio Ginga Cristina está entre os activos da Genea

Davi Silva anunciou que, em Luanda, é erguida uma fábrica de vidro com capacidade para 120 toneladas por dia e duas moageiras, uma de farinha de milho e ração, para 300 toneladas por dia, e outra de trigo, para produzir 600 toneladas no mesmo período.

Para Cabinda, prosseguiu, prevê-se a construção de uma fábrica de cimento com capacidade de produzir 250 mil toneladas por ano e também duas moageiras para fuba de milho e rações e trigo, devendo a primeira colocar no mercado 50 e a segunda 150 toneladas por dia.
O director dos novos projectos da Genea Angola indicou que a montagem das fábricas em Cabinda fica concluída no segundo trimestre de 2020, mas não haver data para o arranque das que são implantadas em Luanda, garantindo que essas unidades poderão criar mais de 300 postos e trabalho directos e 800 indirectos.

Diversos negócios
Davi Silva referiu que, com os novos investimentos, a empresa mantém a linha da diversificação dos negócios, depois de, em 2012, ter instalado na Catumbela a cimenteira Cimenfort, que produz um milhão de toneladas por ano, além de projectos lançados em 2015 nos sectores da Agricultura, Hotelaria, serviços e bens de consumo.
Sublinhou que os novos projectos têm também como objectivo a garantir a sustentabilidade da empresa e contribuir para o desenvolvimento do mercado.
A Genea Angola está no mercado angolano desde 2005, emprega 200 trabalhadores e possui um volume de negócios estimado em 400 milhões de dólares.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia