Sociedade

Governo responsabiliza empresas por incumprimento nas obras

Adão Diogo | Saurimo

O Governo Provincial da Lunda-Sul decidiu responsabilizar 11 empresas de construção civil, por incumprimento de prazos contratuais na execução física de projectos consignados, apesar de o Estado já ter pago, na totalidade ou próximo disso, os orçamentos acordados entre as partes.

13/11/2022  Última atualização 06H20
Governo Provincial da Lunda-Sul © Fotografia por: DR
O secretário do Governo Provincial, Fortunato Pemessa, explicou que, em obediência a uma orientação do governador da Lunda-Sul, os Gabinetes Jurídico, Técnico e Infra-estruturas e as Administrações Municipais lesadas devem a averiguar junto da Procuradoria Geral da República o curso dos processos de denúncia dessas empresas, por incumprimento de contratos.

Fortunato Pemessa avançou que o Gabinete de Estudos, Planeamento e Estatística (GEPE) procedeu ao pagamento de 160 milhões de kwanzas para a terraplenagem da via Saurimo/Sombo. Para intervencionar num troço de 115 quilómetros, que separa a vila de Cacolo e a sede comunal do Alto Chicapa, a  Empreiteira Adesandra beneficiou de 150 milhões de kwanzas.

Explicou que a fraca prestação dos empreiteiros provocou o adiamento do programa de melhor acomodação com dignidade do administrador adjunto de Muconda e de dezenas de alunos, mesmo depois de o Estado pagar 324 milhões, para a construção de uma casa protocolar e uma escola.

A MER-Construções Lda tinha para erguer uma escola de sete salas de aula, no Bairro Tixtende, arredores da vila de Muconda, município onde a ZAX tem por construir três salas, na localidade de Mombo Calunga. Na circunscrição de Dala, a Rubricar, LDA assumiu o compromisso de edificar, na comuna de Cazage, uma escola de sete salas.

A Hapuila está encarregada de construir uma casa geminada, na sede comunal de Cucumbi; a firma CCL, Lda deve erguer uma escola de sete salas, no Alto Chicapa, e a OBERNAL tem a missão de concluir um hospital, na vila sede, obras programadas para o município de Cacolo.

A fiscalização do Governo pressiona a construtora Cláudio Alves, para reabilitar o Centro Integral da Juventude de Saurimo, localidade onde a Fiana, Lda recebeu financiamento para construir uma escola de sete salas, no Bairro Luavur.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Sociedade