Economia

Governo reitera compromisso com a formação no sector turístico

Joaquim Suami

Jornalista

O Ministério da Cultura e Turismo vai reforçar, durante o período 2022/2027, na formação técnico-profissional de quadros nacionais qualificados e competentes, para que o sector do Turismo, possa contribuir para o desenvolvimento e crescimento da economia nacional, declarou, na segunda-feira, em Luanda, o secretário de Estado para o Turismo, Hélder Marcelino.

28/09/2022  Última atualização 10H00
Secretário de Estado para o Turismo, Hélder Marcelino, falou da importância da melhoria das infra-estruturas básicas © Fotografia por: Vigas da Purificação | Edições Novembro

O governante que falava, à imprensa, à margem da "Mesa Redonda sobre o Repensar o turismo - Trilhando caminhos para juntos desenvolver o Sector", em alusão as festividades do dia mundial do turismo, que se assinalou ontem, 27, indicou que a par do desafio da formação técnico-profissional, o sector vai, igualmente, reforçar o seu papel junto das instituições de ensino, principalmente as do ramo privado, no sentido de se garantir melhor qualidade, melhoria dos planos curriculares e na facilitação de realização de estágios profissionais dos estudantes do turismo.

"Temos o desafio de reforçarmos uma formação profissional cuidada e orientada para os profissionais do sector do turismo, não só na vertente das competências técnicas, mas, voltada para um sistema de valores que façam do profissional, um cidadão sério, comprometido com a sua própria profissão e que esteja comprometido com a honestidade, pontualidade, assiduidade perante os seus clientes, que são os turistas”, disse. De acordo com Hélder Marcelino, o outro desafio do seu pelouro é o de reforçar o papel do Estado, no fortalecimento das parcerias com as instituições internacionais do sector, para a formação técnico-profissional dos quadros nacionais, que possam contribuir na promoção do turismo dentro do país.

Segundo o secretário de Estado para o turismo, a par destes desafios, o seu Ministério está, igualmente, apostado na necessidade de melhoria da qualidade dos serviços que são prestados nas unidades hoteleiras e de restauração do país.

Disse que a melhoria da qualidade dos serviços ligados ao sector do Turismo visa contribuir para um excelente ambiente de negócios, para que o país possa atrair investidores estrangeiros.

Para Hélder Marcelino, a melhoria das infra-estruturas básicas, energia eléctrica, água, telecomunicações e os acessos, sobretudo, nas regiões do país onde se pode desenvolver os diversos tipos de turismo, são outros desafios que o Ministério da Cultura e Turismo vai implementar durante o período 2022-2027.

 

Hotéis-escola

Sem avançar datas, Hélder Marcelino, disse que, o Ministério da Cultura e Turismo já identificou dois hotéis, construídos no âmbito do CAN de futebol-2010, que vão ser convertidos em hotéis-escola.  

"O Ministério da Cultura e Turismo já identificou dois hotéis que vão ser convertidos em hotéis-escola, como são os casos dos hotéis INFOTUR de Luanda e de Cabinda, que foram construídos para apoiar o CAN de futebol, que Angola albergou, entre Janeiro e Fevereiro de 2010.

Durante a mesa redonda foram abordados temas relacionados com "Um olhar sobre a qualidade dos serviços na hotelaria em Angola”, "Desafios do subsector da restauração na afirmação do destino turístico em Angola”, "Papel das instituições de ensino na qualificação dos serviços hoteleiros e de restauração”, "Agências de viagem como propulsoras do turismo interno” e " Papel dos guias de turismo na afirmação do turismo interno”.

No final da mesa redonda, foi feito o lançamento do livro "Desenvolvimento do Turismo em Luanda: Turismo de Negócios, Gestão e Sustentabilidade", dividida em nove capítulos, com 580 páginas, da autora Sandra Vigário Ramos, que retrata a importância do turismo de negócios na arrecadação de receitas que visam contribuir para o crescimento da economia do país.


Investimentos vão atrair viajantes nacionais e internacionais

O Executivo angolano quer tornar Angola, no período 2022/2027, uma nação aberta ao turismo, que consiga atrair o maior número de viajantes, quer internacionais, como nacionais.

Na estratégia que será implementada pelo Ministério da Cultura e Turismo, durante este período, o Governo vai trabalhar, arduamente, no posicionamento de Angola, como um dos maiores destinos turísticos na região da SADC e Comunidade Económica dos Países da África Central (CEEAC), na criação de condições de excelência, em quatro zonas turísticas prioritárias, como a do Cabo Ledo, KAZA no Delta do Cuvango, Deserto do Namibe e Calandula.

Melhorar infra-estruturas

Este desafio, segundo o Ministério da Cultura e Turismo, visa melhorar a qualidade das infraestruturas de suporte à actividade turística, tais como estradas e vias de acesso, telecomunicações, fornecimento de electricidade, água, serviços de transporte e outros serviços públicos.

A visão do Ministério da Cultura e Turismo passa, igualmente, pela modernização das infra-estruturas e disponibilizar novos serviços, com o objectivo de criar um enquadramento mais propício ao turismo, que possa estimular a procura e garantir a satisfação dos turistas, definir e implementar políticas adequadas para garantir a segurança, a higiene, a acessibilidade e a comunicação para maior abertura de Angola ao turismo internacional, assegurando a confiança ao turista e o investimento no sector.

Aumentar o reconhecimento internacional da marca "Angola Turismo”, fomentar o investimento nacional para o fornecimento dos bens produzidos localmente (incluindo os alimentares), para o consumo turístico, fomentar o investimento privado (nacional ou estrangeiro) em grande escala no sector, para estimular a procura de produtos nacionais e aperfeiçoar o quadro legal e regulamentar do sector, constam igualmente como prioridades do Ministério da Cultura e Turismo.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia