Economia

Governador promete estabilidade dos preços

O Governador do Banco Nacional de Angola (BNA) anunciou, num encontro com empresários realizado na quinta-feira, por videoconferência, expectativas em torno da estabilidade dos preços na economia ao longo do presente ano, principalmente, pelos equilíbrios macroeconómicos conseguidos em 2021.

15/01/2022  Última atualização 08H30
José de Lima Massano reuniu-se com representantes empresariais © Fotografia por: João Gomes | Edições Novembro
José de Lima Massano proferiu estas declarações em resposta a preocupações levantadas por representantes empresariais que atribuíram o comportamento dos preços a dificuldade na cadeia logística e de distribuição, agravamento dos preços na origem (inflação importada) e às acentuadas margens de lucro no segmento retalhista dos bens alimentares.

Na nota de imprensa em que o BNA revelou, ontem, detalhes da reunião, o governador aponta como equilíbrios com potencial para influenciarem uma evolução favorável dos preços, a estabilização do mercado cambial, marcada pela apreciação do Kwanza face às moedas dos principais parceiros comerciais de Angola, bem como a melhoria da posição externa do país, com uma maior acumulação das reservas internacionais.

O vice-governador do BNA Tiago Dias é citado a reafirmar o reconhecimento do banco central de que a evolução dos preços, em particular, os dos bens alimentares, continua a impactar de forma negativa sobre a inflação.

Operadores económicos disseram que, apesar das medidas adoptadas pelas autoridades que resultaram na estabilidade cambial e desagravamento dos direitos aduaneiros, os efeitos serão sentidos de modo gradual, sendo já visível a baixa de preços de alguns produtos.

O  encontro insere-se nas reuniões regulares que o banco central realiza com os operadores do ramo alimentar, a última das quais em Agosto de 2021, onde participaram representantes de empresas ligadas à importação e distribuição, entre os quais a Angoalisar, Ecodima, Maxi,  Shoprite, Newaco, Leonor Carrinho, Candando e  Anseba.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia