Economia

Fundo agrícola financia acima de 160 projectos

Ana Paulo

Jornalista

O Fundo de Apoio ao Desenvolvimento Agrário (FADA) aprovou, no primeiro semestre, 164 projectos, avaliados em 1,1 mil milhões de kwanzas, com os desembolsos a situarem em cerca de 700 milhões de kwanzas.

21/10/2021  Última atualização 09H35
Milhões de kwanzas foram empregues em 14 províncias © Fotografia por: DR
As informações foram divulgadas pelo administrador do  FADA, Manuel Pedro, na última terça-feira, em Luanda, durante a apresentação de um balanço das actividades realizadas pelo fundo.
Os projectos aprovados estão repartidos entre 14 províncias, lideradas em número pelo Namibe, com 33 projectos aprovados, Bié e Uíge, com 31 e 29 projectos, respectivamente. As outras províncias beneficiadas, como Benguela, Cuanza-Norte, Cunene, Huambo, Zaire, Bengo, e outras tiveram menos de 10 projectos aprovados.

O administrador revelou as operações de financiamento que apontam para a iminência da aprovação de 16 créditos em Malanje, 15 no Cuanza-Sul e 10 em Luanda. A operacionalização do financiamento teve início este ano, com um mecanismo de financiamento que disponibiliza créditos a programas como o da "Mulher Rural” e   "Jovem Agricultor”, abarcando beneficiários com idades compreendidas entre os 18 e 40 anos.   Política de crédito

Na concessão de crédito, além dos documentos requeridos, o FADA tem estabelecido um limite de financiamento para cada beneficiário, exigindo o cumprimento dos prazos de reembolso, taxas de juros e de mora.

Na classe do Crédito de Apoio à Produção, o limite máximo é de 15 milhões de kwanzas, ao passo que para o Crédito de Investimento o máximo é de 25 milhões de kwanzas  e igual valor para o Crédito de Apoio à Comercialização. O  crédito às Caixas Comunitárias é de 10 milhões de kwanzas.

 As taxas de juros adoptadas vão de três a sete por cento. O fundo concede prazos de carência ajustados à finalidade e ciclo do produto agrícola.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia