Sociedade

Fundação Lwini doa meios a deficientes

Kátia Ramos

Jornalista

A Fundação Lwini, no âmbito do “Projecto Esperança, Mobilidade e Liberdade”, doou, em Luanda, meios de locomoção e compensação a crianças com incapacidades físicas acentuadas, inscritos na base de dados.

14/10/2021  Última atualização 09H45
Beneficiários da doação enaltecem a acção filantrópica
O director executivo da Fundação, Alfredo Ferreira, disse que o Projecto, que data de 2001, é de âmbito nacional e visa a distribuição anual de meios, tendo beneficiado já cerca de 2.500 deficientes e outras pessoas com várias necessidades.

Cadeiras de rodas para crianças e adultos, triciclos manuais e de tracção motorizada, muletas, canadianas, andarilhos e meios de trabalho constam do leque de bens, até agora, doados.

Acrescentou que o Projecto conta com a parceria da CHEVRON e suas associadas, tendo como principal patrocinador, durante cerca de 10 anos, a WhellChair Foundation dos Estados Unidos da América, considerada a maior Organização Não-Governamental do mundo neste domínio.

Alfredo Ferreira esclareceu que, nos últimos anos, a Fundação LWINI tem contado, também, com o apoio do Ministério da Acção Social, Família e Promoção da Mulher, que distribui meios em todo o território nacional.

Beneficiários

Divaldo Satxissoca, de 12 anos, recebeu a sua primeira cadeira de rodas que vai facilitar a sua locomoção. Contou ao Jornal de Angola que o seu único desejo é formar-se, mas tem sentido muita dificuldade pa-ra se deslocar de casa para a escola e vice-versa.

Revelou que já chegou a ganhar uma cadeira de rodas numa actividade solidária para adultos, mas a mesma não era confortável. Impedia-o de ter boa visibilidade nos lados laterais e precisava sempre de apoio para atravessar as ruas. Agora com a nova cadeira para crianças, Divaldo, visivelmente feliz, disse que no bairro vai se divertir muito com os amigos e, na escola, com os colegas. Gizela Marcos, apesar da sua deficiência locomotora, beneficiou de um kit completo de salão de beleza e sempre trabalhou como cabeleireira. Disse que o gesto da Fundação Lwini, vai permitir o exercício da sua actividade profissional.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Sociedade