Mundo

Franceses libertados após pedido de desculpa a Malabo

Os seis soldados franceses detidos num aeroporto da Guiné Equatorial desde quinta-feira, acusados de espionagem pelas autoridades locais, foram, ontem, autorizados a partir, depois de Paris ter pedido desculpa pelo incidente.

01/08/2021  Última atualização 09H51
© Fotografia por: DR
Um porta-voz do pessoal militar francês confirmou que os soldados estavam autorizados a deixar a Guiné Equatorial, o que já fizeram, e pôr fim ao incidente que começou depois de um helicóptero militar francês ter aterrado para reabastecer no aeródromo de Bata, capital do território continental da antiga colónia espanhola.

De acordo com a estação de rádio RFI, o embaixador francês em Malabo, Olivier Brochenin, pediu desculpa pelo incidente e admitiu dois erros técnicos.

Em particular, assinalou que a França, que tem uma autorização anual para voar no espaço aéreo equato-guineense, não notificou a aeronave com 72 horas de antecedência da sua aterragem, tal como estipulado no acordo entre os dois países.

Além disso, o helicóptero que fez a viagem não foi o registado nos acordos, segundo o embaixador, uma vez que um incidente técnico levou a que este tivesse de ser trocado no último minuto.

"Como embaixador, gostaria de pedir desculpa ao Governo e às autoridades da Guiné Equatorial se estes erros causaram mal-entendidos”, disse Brochenin.

Desta forma terminou um incidente que ocorreu um dia depois de a magistratura francesa ter confirmado a condenação por branqueamento de capitais do Vice-Presidente da Guiné Equatorial, "Teodorin” Obiang, filho do Presidente Teodoro Obiang.

O helicóptero, que voava da base camaronesa de Douala para a base gabonesa de Libreville, teve de parar em Bata para reabastecer, onde foi detido, acusado por Malabo de espionagem e de ter violado o espaço aéreo do país.



Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Mundo