Sociedade

Fortes ventos em Luanda provocaram uma morte

André da Costa

Jornalista

Os fortes ventos, acompanhados de chuva miúda, registados na tarde de sábado, em Luanda, causaram a morte de um cidadão, bem como a destruição parcial de casas e viaturas, na sequência do derrube de várias árvores, segundo o balanço provisório do Serviço de Protecção Civil e Bombeiros, divulgado ontem.

08/03/2021  Última atualização 13H25
Voista panorâmica da cidade de Luanda que registou sábado fortes ventos e chuva miúda © Fotografia por: José Cola | Edições Novembro
Segundo o porta-voz dos Bombeiros em Luanda, Faustino Minguês, o cidadão, cuja identidade não foi revelada, morreu no Distrito Urbano da Maianga, arrastado para um espaço de difícil acesso (beco).
Os ventos causaram ainda a destruição de 20 tectos e o derrube de 50 árvores, quatro das quais sobre residências e duas sobre viaturas, nos municípios de Viana e Cacuaco.

Os fortes ventos, acompanhados de chuva miúda, causaram, ainda, o derrube de oito postes de média tensão e a destruição de uma cabine eléctrica, no município de Viana, Distrito Urbano do Zango.
O Serviço de Protecção Civil e Bombeiros dá ainda conta da existência de algumas residências em eminência de desabar, obstrução de vias públicas, bem como postes eléctricos e moradores de várias áreas colocados em perigo.
O vento atingiu uma intensidade aproximada a 30 quilómetros por hora, causando "tempestade de areia”, destruição de tectos e queda de árvores, muros e vedações.

O fenómeno provocou "medo” e apreensão em quem circulava e mesmo nos que se encontravam em casa, dada a força da ventania.
Dos locais mais afectados pela poeira, destacam-se os bairros do Zango1 ao 5, em Viana, Calemba 2, Golf 1 e Golf 2, zona dos Correios e Camama, no Kilamba Kiaxi.
O muro da Casa da Juventude em Viana ruiu em consequência da queda de uma árvore de grande porte.
Na Maianga, a cobertura do edifício da empresa de restauração Panela de Barro ficou parcialmente danificada. Os bombeiros foram chamados ao local, mas não se sabe da dimensão do prejuízo.

Em outras zonas da província, além da forte poeira, coberturas de zinco e de amianto foram arrancadas.
Segundo o INAMET (Instituto Nacional de Meteorologia e Geofísica), os ventos fortes ocorridos sábado, em Luanda e Bengo, foram causados pela diferença de pressão registada entre o oceano e o continente, provocada pela variação da temperatura.
A temperatura do oceano muito fria e do continente muito quente resultou em alta pressão na zona marítima e baixa pressão em terra.
De acordo com a nota, "quando este fenómeno ocorre há ventos fortes”.
(*) Com Angop

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Sociedade