Política

FNLA aposta no sector industrial e na produção de cereais

Weza Pascoal | Menongue

Jornalista

A Frente Nacional para a Libertação de Angola (FNLA) realizou, este sábado, em Menongue, uma passeata pelas diferentes ruas da cidade e culminou com um acto de massas, na abertura da campanha eleitoral deste partido no Cuando Cubango, onde anunciou a aposta na agricultura.

14/08/2022  Última atualização 07H35
Secretário para a Cultura e Assuntos Religiosos da FNLA apresentou o manifesto eleitoral e o programa de governo © Fotografia por: Nicolau Vasco | Edições Novembro| Menongue

O secretário nacional para a Cultura e Assuntos Religiosos da FNLA, Laíz Eduardo, que presidiu ao acto, apresentou aos seguidores o manifesto eleitoral e o programa de governo,  cuja maior aposta recai para o sector industrial e a produção de cereais.

Disse que o Cuando Cubango possui uma bacia hídrica robusta e terras aráveis em quase toda a extensão e pode, claramente, alavancar a produção de milho, arroz, massambala, massango e outro tipo de grãos que, actualmente, não são produzidos, devido às más políticas gizadas para o sector agrícola.

Referiu que a FNLA tem ainda como premissas melhorar o sistema de ensino em Angola, pagar os salários dos trabalhadores consoante o câmbio do mercado, zelar pelo saneamento básico do meio, levar a água potável e energia eléctrica a todos os recantos do país.

"Na época colonial havia auto-suficiência alimentar, porque Angola já exportava diversos produtos agrícolas. Esta produção gerava receitas para o Estado, metas que hoje estão longe de serem alcançadas. Mas se a FNLA constituir governo para os próximos cinco anos, o país voltará aos tempos áureos”, prometeu.

Laíz Eduardo, que se deslocou ao Cuando Cubango para o lançamento da campanha do partido nesta região, disse que o processo de dinamização da agricultura vai gerar emprego para os jovens, acabar com a fome e reduzir os níveis de delinquência, um fenómeno que tem afectado maioritariamente os adolescentes. 

Anunciou que, além da agricultura, o manifesto eleitoral baseia-se em três outros eixos fundamentais: a Educação, a Saúde e a Segurança Pública.

No que diz respeito ao sector da Educação, Laíz Eduardo disse que os esforços para educar os angolanos até aos dias de hoje foram insuficientes. "Por este motivo, o país ainda se debate com a falta de escolas e diversos problemas no processo de ensino. Por isso, a FNLA vai apostar num ensino de qualidade, com infra-estruturas condignas, onde os jovens formados tenham a oportunidade de trabalhar em qualquer parte do mundo”, disse.

Por sua vez, o secretário provincial da FNLA, Samuel Ferro, referiu que o partido tem todas as condições criadas para a expansão das actividades nos municípios do Cuando Cubango, com a implementação das comissões municipais, para caçar votos, sobretudo, de indecisos.

Informou que, tendo em conta o curto espaço de tempo para o dia da votação, não será possível a realização de um acto político de massas, orientado pelo presidente da FNLA, Nimi a Simbi, mas tranquilizou os amigos, simpatizantes e militantes que o Secretariado Provincial vai se encarregar de dirigir as actividades no Cuando Cubango.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Política