Cultura

Festival das letras junta vários poetas em Lisboa

A sétima edição do Encontro de Poetas de Língua Portuguesa (EPLP) realizou-se sábado, no Auditório do Instituto Português do Desporto, em Lisboa, Portugal.

16/11/2021  Última atualização 09H15
Luandino de Carvalho com participantes angolanas no encontro © Fotografia por: DR
O evento juntou poetas representantes de países que  compõem a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), das mais variadas  idades e níveis de vivência poéticas, renomados e premiados, doutores e PhD em Letras, assim como poetas neófitos.


A República de Angola esteve na mesa de honra do encontro representada pelas poetisas e funcionárias do Ministério das Relações Exteriores (MIREX) Egna de Sousa e Fátima Moniz, bem como pelo adido Cultural da Embaixada de Angola em Portugal, Luandino de Carvalho.


À margem do encontro   procedeu-se ao lançamento da antologia "Os Poetas, a Poesia e os Continentes”. A publicação comemorativa conta com 270 poemas de 123 poetas de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e Portugal.


O evento foi marcado por um sarau e homenagens aos poetas luso-angolano, José Manuel Martins Pedro, co-fundador do EPLP, falecido em Agosto deste ano, vítima da Covid-19; o brasileiro Solano Trindade e o  cabo-verdiano Oswaldo Osório.
O VII EPLP teve como objectivo celebrar a vida, unir povos, promover a inclusão e o conhecimento da poesia e cultura dos países de Língua Portuguesa.


Devido às restrições da pandemia da Covid-19, o evento foi  antecedido por jornadas e conferências com transmissão online, realizadas de 4 a 7 do mês em curso.


POEMÁRIO
"Insurreição  dos Signos” conta com nova edição


"Insurreição dos Signos”, poemário de Hélder Simbad publicado em 2018 em Portugal pela editora Perfil Criativo, foi relançado no Centro Cultural Brasil-Angola (CCBA), em Luanda, desta feita com a chancela da brasileira Pontes Editores. Trata-se de uma reedição aumentada com mais dez poemas inéditos.


O professor universitário e crítico literário brasileiro Kaio Carmona, que fez a apresentação, considerou que "Insurreição dos Signos” tem uma maneira muito própria de dizer a poesia angolana e ao mesmo tempo uma poética universal.


"A partir do diálogo com o surrealismo, a obra executa com propriedade aquilo que é talvez a essência do discurso poético, a desautomatização da linguagem, lançando os versos a uma pesquisa sensorial, um cuidado com a língua, aliado ao exercício da vida, como matéria latente”, sublinhou Kaio Carmona.


Hélder Simbad é professor, escritor e crítico literário, licenciado em Línguas e Administração pela Universidade Católica. Com a obra "Enviesada Rosa” (poesia) venceu o Prémio Literário António Jacinto 2017; com "Insurreição dos Signos” foi finalista do Prémio DST/Camões. Publicou ainda "Tradução Literária” (livro técnico) e "Palanca de Chifres Dourados” (novela, digital). Tem para publicação o romance "O Nome de Todos os Rostos”.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Cultura