Sociedade

Ferraz André Musselekete: Combateu a guerra com uma viola

Rui Ramos

Jornalista

Ferraz André Musselekete nasceu, em Makokola, município de Milunga, província do Uige, no dia 6 de Junho de 1975, é o último de cinco filhos de André Miachi e Bibiana Bala.

07/08/2022  Última atualização 14H09
© Fotografia por: DR

Cresceu num ambiente de guerra, nas matas, depois de sequestrado por forças rebeldes, o que o impossibilitou de frequentar a escola.

Em 1987, com 13 anos, Ferraz Musselekete regressa à Makokola, apenas com o pai, tendo em conta que, nessa altura, a mãe tinha falecido nas matas de Kimalenboso.

"O meu pai ficou viúvo, tinha de cuidar de cinco filhos e, ao regressar das matas, viu-se envolvido numa vida repleta de dificuldades e carências, entregando-se à actividade de bombecar mandioca para fazer bombó e, consequentemente vender. Era assim que conseguia algum dinheiro para o nosso sustento dos filhos”, contou.

Esse negócio era difícil naquela zona do país, por causa das condições climáticas, escassez de transporte e das deslocações em tempo de guerra.

Sem estudos, já adolescente, Kota Musselekete, como é chamado actualmente, passou por uma vida muito difícil. Em 1992, contraiu sarampo e, por causa da assistência tardia, acabou por ficar invisual. Esta nova condição provocou uma completa desestabilização na vida de Musselekete, que chegou até a tentar o suicídio.

"Como forma de consolo, fui buscando na música a alegria que faltava na minha vida”, revelou, para acrescentar que sem profissão, sem trabalho nem "olhos”, a arte de cantar começou como um passatempo.

Um dia, militares encontraram-no a tocar e levaram-no para uma base militar, no Kimbele, para animar as noites naquela unidade, durante cerca de um ano. Depois, foi levado para Sanza Pombo, numa outra unidade militar e a seguir encaminhado ao Negage, com a mesma finalidade.

Mais tarde, em virtude do agravamento da situação militar, Musselekete foi dispensado sem nenhuma documentação ou reconhecimento pela militância prestada com a sua guitarra.

Empunhando uma guitarra, Kota Musselekete enfrentou a vida com firmeza e lutou nas frentes de combate. Nas noites frias e nostálgicas, era ele quem aquecia os corações dos soldados com a sua música e alegria, levando, assim, um consolo  àqueles militares que lutavam por uma Angola melhor.

"Eu também lutei. Estive lá nas frentes, como refém e como soldado. E, como dizia o cantor, levei a minha viola lá na frente de combate, tal como cantou o meu colega”, disse.

Anos mais tarde, a cidade do Uíge foi atacada e muitas pessoas fugiram, escolhendo a província de Luanda como novo habitat. E Musselekete esteve entre esse grupo de deslocados de guerra.

"Vim para Luanda, resgatado por uma coluna militar, chefiada pelo então comandante Stela, meu superior na base militar, que me reconheceu e me trouxe para a capital”.

Posto em Luanda, Musselekete localizou o irmão, com quem viveu até, 2005, altura em que juntou à esposa, com quem tem cinco filhos. Dez anos depois, a mulher faleceu, vítima de dor de dentes não tratada.

Hoje, Kota Musselekete toca, sobretudo, nas praias de Luanda, em especial na Praia Amélia. Com o pouco que consegue, sustenta três filhos pequenos num quarto cedido por um pastor da igreja que frequenta. As duas meninas teve de entregá-las a uma sobrinha da esposa.

Os filhos de Musselekete estudam numa escola pública, numa altura em que os meninos enfrentam muitas dificuldades, inclusive, discriminação.

"Ter os meus filhos a crescerem sem direito à nada, até coisas básicas como comer em condições, ouvir rádio, assistir televisão ou dormir numa cama, me faz sofrer muito. Por isso, a minha luta é ver o meu trabalho reconhecido, conseguir um produtor para eu mostrar o meu talento e ganhar alguma coisa que ajude a dar uma vida melhor aos meninos”, desejou.

Em função disso, apelou às pessoas de "bom coração” para o ajudarem a gravar e a promover o trabalho. "Eu quero trabalhar para ter algum rendimento que me permita sustentar e formar os meus filhos”.

Musselekete já tem algumas músicas disponíveis no Youtube, como "Mana moça”, "Muhatu uami” e "Malongue”.

As músicas de Musselekete, como ele explica, retratam o quotidiano ao ritmo da sua fiel companheira, a viola, mas ele canta, também, clássicos de cantores como Teta Lando, Prado Paim, Bonga, Yuri da Cunha, entres outros. Ferraz Musselekete está disponível pelo número 923033782.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Sociedade