Economia

Feira de Luanda abre nesta terça-feira com mais de 500 expositores

Roque Silva

Jornalista

A 36ª edição da Feira Internacional de Luanda abre, esta terça-feira (30), as portas, na Zona Económica Especial (ZEE) Luanda - Bengo, onde vão estar, num período de cinco dias, 558 empresas nacionais e estrangeiras.

30/11/2021  Última atualização 08H09
Organização tem tudo em prontidão para garantir “bons negócios” durante os cinco dias de realização da bolsa de negócios © Fotografia por: Jaimagens/fotógrafo
A cerimónia oficial de inauguração está marcada para as 10h00 e será presidida por uma alta figura do Executivo angolano, cujo nome não foi revelado pela organização.

Além de Angola, com 500 expositores, vão estar presentes expositores de 17 países com 58 empresas, representados individualmente e pelas Câmaras de Comércio. Portugal e China, com 17 e 11 empresas respectivamente, são os países mais representativos na Filda deste ano, que vai decorrer sob o lema "A Tecnologia como Suporte ao Desenvolvimento do Agronegócio e da Indústria”. Surgem depois a África do Sul, com 6, Brasil, Espanha, Itália e Alemanha, com três, Eritreia e Líbano, com dois, Reino Unido, Japão, Argentina, Índia, Coreia do Sul, República Democrática do Congo, França e Turquia, com uma.

Angola garante 90 por cento dos expositores, em representação de Luanda, Benguela, Cabinda, Namibe, Cuanza Sul, Zaire e Huíla.

Promovida pelo Ministério da Economia e Planeamento, e organizada pela empresa Eventos Arena, a 36ª edição do certame terá os participantes distribuídos pelos sectores do comércio e prestação de serviços, alimentação e bebidas, agronegócio, telecomunicações e tecnologias de informação e comunicação, indústria transformadora, serviços bancários, seguros, construção civil e obras públicas, máquinas e equipamentos, Oil & Gás, transportes e logística e serviços de saúde. Segundo a organização, a edição 2021 da Filda vai ser realizada num área total de 28 mil metros quadrados, que inclui o pavilhão e a área exterior, além de que se prevê criar aproximadamente 750 empregos temporários, sem contar com os empregos dos expositores, que, no total, rondam os dois mil empregos.

  Evento abre com o "Dia dos petróleos”

A 36ª Edição da Feira Internacional de Luanda reserva, entre outros, a exposição de alimentos e de produtos diversos, conferências, debates,  workshops, concertos e um espaço de arte monumental e performance, e afigura-se como um sinal de capital importância para a comunidade empresarial e o mercado, como marco da retoma da actividade económica, depois das restrições em todos os segmentos de actividade em 2020, devido à pandemia da Covid-19.

Segundo a programação, hoje é o dia dedicado aos Petróleos, sendo que amanhã, quarta-feira, é o Dia da Sonangol, quinta-feira, Dia de Portugal, sexta-feira, Dia da CPLP, e sábado, Dia de Angola.

 À semelhança das edições anteriores, a organização realiza, sábado, no encerramento, um reconhecimento público às empresas e entidades que ao longo dos cinco dias se vão destacar nas suas respectivas categorias, com oferta de diploma de premiação e do Leão de Ouro.

A feira enquadra-se nas acções do Executivo que visam impulsionar o processo de diversificação da economia nacional, cuja competitividade interna e externa se impõem a curto, médio e longo prazos.

"Espaço Luanda” tem presença garantida
A galeria de arte Espaço Luanda Arte (ELA), situada na baixa de Luanda, participa desde ontem e até sábado, na  36ª Edição da Feira Internacional de Luanda (FILDA), que decorre na Zona Económica Especial (ZEE) Luanda-Bengo.

A galeria participa com quatro esculturas de arte monumental, bem como um filme audiovisual e duas performances artísticas diárias (às 11h30 e às 17h00) do artista angolano Jone Ferreira, num projecto inovador de nome "Zumbi Ya Nzambi”, que traduz se para "Espíritos Divinos” e que se apresenta como um prelúdio para uma trilogia de filme, fotografia e objectos que o artista irá apresentar em 2022. Na FILDA o artista vai exemplificar como o lixo e resíduos metálicos podem ser transformados em autênticas obras de arte.

O produtor, curador e galerista Dominick Maia Tanner referiu que "o artista Jone Ferreira convive diariamente com as esculturas que cria no seu atelier ao ar livre - objectos aí residentes em vias de quase contínua transformação. Ele manuseia a chapa reciclada com sentido prático. Sabe, porém, que o que ali acontece no atelier é algo extraordinário e que as suas acções estão imbuídas de um poder criador, algo superior. Transformação ao mais alto nível”.

Natural de Ndalatando, província do Cuanza-Norte, onde nasceu em 1989, Jone Ferreira vive e trabalha em Luanda. Artista autodidacta, foi ainda na infância que começou a mostrar interesse pela escultura. O sonho viria a tornar-se realidade aos 15 anos, quando criou máscaras inspiradas nos "Power Rangers”.

A 36ª Edição da Feira Internacional de Luanda (FILDA)  privilegia o sector tecnológico, suporte do desenvolvimento do agronegócio e da indústria, após as restrições em 2020, devido à Covid-19. No evento participam empresas nacionais e estrangeiras, provenientes da África do Sul, Alemanha, Argentina, China, Eritreia, França, Índia, Itália, Turquia, Egipto, Japão, Líbano, Estados Unidos e Portugal.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia