Opinião

Farmácias ilegais

Soube que entidades de inspecção competentes registaram a existência de mais de uma centena de farmácias ilegais. Espero que este trabalho de inspecção continue, para se acabar definitivamente com as farmácias ilegais. Afinal está em causa a saúde pública.

16/08/2019  Última atualização 07H23

É preciso saber, como já sugeriram alguns leitores do vosso jornal, se as farmácias que existem em elevado número no país vendem medicamentos em condições para serem consumidos e se as pessoas que nelas trabalham têm as habilitações profissionais adequadas para a venda de fármacos. É urgente pôr termo a práticas ilegais que podem atentar contra a vida das pessoas. Há quem, centrado apenas na obtenção de lucro fácil e rápido, não se importe em vender fármacos com prazos de validade expirados. Que as farmácias ilegais sejam fechadas e que se comunique aos cidadãos as razões do seu encerramento. Que as entidades competentes informem os cidadãos dos cuidados a ter quando se dirigem a uma farmácia. O elevado número de farmácias ilegais é preocupante. Não se pode condescender quando se trata de salvaguardar vidas humanas. A vida é um bem fundamental.
Alice João | Cassenda

 

Fim do Cacimbo
Terminou o tempo de Cacimbo e vem aí a época das chuvas. Era bom que as autoridades tomassem medidas, mesmo paliativas, nos diferentes bairros de Luanda, para atenuar o impacto negativo das águas nas vias rodoviárias. Sabe-se que as chuvas causam sempre muitos estragos em muitas zonas de Luanda, sobretudo nos bairros suburbanos. Que se inspeccione o estado das valas de drenagem e se proceda a trabalhos de terraplanagem. As águas das chuvas causam muitos transtornos aos cidadãos, ao condicionar a mobilidade das pessoas que têm de ir trabalhar ou ir à escola. Moro no bairro Sagrada Esperança, no Distrito Urbano da Maianga, e gostava que se fizessem urgentemente a terraplanagem do troço que sai do chamado "Campo do Felício" e a Avenida da FAPA. Trata-se de um troço com menos de quinhentos metros. Será que é assim tão difícil mobilizar um tractor e arranjar areia para facilitar a circulação nesse troço?
Arménio Pinto| Sagrada Esperança

 

Praias perigosas
Tomei conhecimento, por via de uma rádio, de que há praias que não devem ser frequentadas por banhistas, por representarem perigo para as suas vidas. Penso que as entidades competentes devem divulgar amplamente nos canais de televisão e em várias rádios o nome de praias que não devem ser frequentadas. Tem morrido muita gente afogada nas nossas praias, particularmente jovens. Que os banhistas respeitem as sinalizações que são colocadas nas praias que não devem ser frequentadas.
André Lucas |  Ingombota

 

Legislação sobre as autarquias
Estão a ser aprovados diplomas legais sobre as autarquias. Gostava que os órgãos de comunicação social promovessem debates sobre as normas desses diplomas que suscitem interesse e dúvidas da parte dos cidadãos. Há normas contidas no pacote legislativo sobre as autarquias que são relevantes e que deviam merecer comentários de especialistas em Direito, para que se aumente a cultura jurídica dos cidadãos em relação a um assunto de grande importância para a vida do país. Com a institucionalização das autarquias no país, Angola vai conhecer outra dinâmica, ao nível político, económico e social.
Helena Narciso | Talatona

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Opinião