Sociedade

Famílias recebem animais para criação e reprodução

Várias famílias carenciadas no município de Cacuaco, em Luanda, estão a beneficiar do projecto de “Fomento animal”, criado pela administração local, com o objectivo de mitigar os efeitos da fome e da pobreza, que têm estado a se intensificar nos últimos tempos, devido à pandemia da Covid-19.

29/07/2020  Última atualização 13H49
Eduardo Pedro | Edições Novembnro © Fotografia por: Panorâmica da sede de Cacuaco onde munícipes em situação de vulnerabilidade recebem apoio

O administrador de Ca-cuaco, Auxílio Jacob, disse, em entrevista ao Jornal de Angola, que cada família cadastrada recebeu quatro galinhas e um galo, duas cabras e cabrito, bem como ração, para ajudar a criar os animais e permitir a sua procriação.
“Depois dos animais procriarem vão ser entregues a outras famílias, excepto as crias, para prosseguirem com o projecto de “Fomento animal”, permitindo que vários munícipes possam ter fontes de rendimento”, explicou o administrador de Cacuaco.
Auxílio Jacob disse que o projecto da Administração de Cacuaco conta com o apoio de uma empresa de direito angolano, localizada na Quiminha, que cria e multiplica aves, cabritos e porcos.

Por meio de uma base de dados que a administração possui, prosseguiu Auxílio Jacob, conseguiu-se identificar as zonas mais carenciadas, tendo em conta também o índice elevado de malnutrição em muitas famílias, por deficiência de proteína animal.
“Foi nessa senda que entregámos animais às famílias carenciadas nos bairros da Caop, Casas Novas, Maiombe A e B, Funda, Munlenvos, Belo Monte e no bairro 30, locali-zado no Sequele. Só não entregámos no Kikolo, porque lá não existem condições para a criação de animais”, sublinhou o administrador municipal de Cacuaco.

Auxílio Jacob explicou que as famílias, na sua maioria camponesas e quitandeiras, beneficiaram, meses antes, de formação intensiva, ministrada por técnicos da Direcção da Agricultura, para que possam se tornar, também, criadores de animais.
Segundo o administrador de Cacuaco, as galinhas têm dois meses para começarem a procriar e as cabras devem levar cinco a seis meses para procriarem.

De acordo com o administrador Auxílio Jacob, a administração pretende que a população tenha auto-suficiência alimentar, porque o município de Cacuaco é po-tencial produtor de vários bens agrícolas, além de verduras e tubérculos.
O administrador de Ca-cuaco disse ser intenção da sua equipa de trabalho, num prazo de um ano, transformar o município num ponto turístico de referência, onde os visitantes possam, também, comprar animais criados pelos munícipes.

Cozinhas móveis em acção

A Administração Municipal de Cacuaco desenvolve, desde o passado dia 14 de Fevereiro, um projecto denominado cozinha comunitária móvel, com o objectivo de diminuir o número de crianças com malnutrição.
As cozinhas têm sido instaladas em bairros durante dois meses ou mais, fornecendo, diariamente, um prato de comida quente à população carente, à base de arroz, feijão, legumes e peixe cacusso, retirado de rios e lagoas do município de Cacuaco.
Auxílio Jacob disse que existem três cozinhas móveis a funcionar, uma no bairro do Canguengue, comuna da Funda, uma em Mayombe e outra no bairro dos Pescadores.

Segundo o administrador municipal de Cacuaco, as cozinhas móveis têm ajudado não só crianças como também jovens desempregados e usuários de drogas, que praticavam desmandos, porque não tinham como se alimentar.
“As cozinhas móveis abrem às 12 horas e cada uma serve, diariamente, à volta de mil refeições”, disse o administrador, acrescentando que “apenas se cozinha uma vez por dia”.

Auxílio Jacob explicou que as cozinhas móveis ficam em zonas com maior índice de malnutrição, até que o aspecto das crianças mude, sendo, depois, transferidas para outras zonas do município.
O administrador aproveitou a ocasião para agradecer o apoio que os supermercados Maxi, Africana, Kero e Shoprite têm dado à administração municiapl, com a doação de produtos para manter as cozinhas móveis a funcionar todos os dias, beneficiando um maior número de pessoas.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Sociedade