Economia

FADA desembolsou 20 mil milhões de kwanzas em projectos agrícolas

O Fundo de Apoio ao Desenvolvimento Agrário (FADA) desembolsou mais de 20 mil milhões de kwanzas, num total de 2.347 projectos, até Abril de 2024, distribuídos em diferentes províncias.

24/06/2024  Última atualização 08H18
© Fotografia por: DR

Os dados foram avançados pela presidente do Conselho de Administração do FADA, Felisbela Francisco, citada pelo site da instituição, tendo explicado ainda que a província de Luanda lidera a lista dos beneficiários com 810 projectos financiados, representando 4,68 mil milhões de kwanzas desembolsados.

Em termos de projectos, a província do Huambo aparece na segunda posição com 311, à frente da Huíla (254).

Quanto aos montantes desembolsados, a província da Huíla surge em segundo lugar, atrás de Luanda, com 3,18 mil milhões de kwanzas, deixando o Huambo na terceira posição (2,03 mil milhões).

Felisbela Francisco reiterou que o FADA está alinhado com ao Plano de Desenvolvimento Nacional (PDN) 2023/2027, com ênfase no eixo de fomento e diversificação da produção agrária e responsabilidade social ambiental.

"Este alinhamento visa garantir a segurança alimentar, aumentar o emprego, o rendimento das famílias, bem como promover a sustentabilidade ambiental”, justificou Felisbela Francisco.

Agricultura familiar

Os agricultores familiares são os principais beneficiários do financiamento do Fundo de Apoio ao Desenvolvimento Agrário (FADA), com 48,09 por cento da carteira de crédito, seguidos das cooperativas agrícolas (35,82).

As micro, pequenas e médias empresas agrícolas seguem em terceiro lugar, com 15,17 por cento do crédito concedido pela instituição.

A gestora explicou que o FADA distribui o seu crédito de acordo com uma abordagem estratégica que, entre outras variáveis, considera a densidade populacional, a actividade agrícola predominante e potencial de produção, bem como carências socioeconómicas de cada província. 

 

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia