Economia

Expositor negoceia acima de dois milhões em fármacos

Estanislau Costa | Lubango

Jornalista

A fornecedora de produtos veterinários Guerreiros Batalhadores Nacionais (GBN) anunciou, ontem, ao Jornal de Angola, ter realizado negócios avaliados em 2,3 milhões de kwanzas na Feira Agro-pecuária da Huíla, que hoje encerra, no Lubango, depois de ter arrancado, na terça-feira.

14/08/2022  Última atualização 07H15
Expositor realça interesse gerado pela oferta de fármacos © Fotografia por: Estanislau Costa | Edições Novembro | Huíla
O responsável da área Comercial, Gilson Neto, que avançou estes dados, disse que o dinheiro foi obtido com a comercialização de fármacos para a prevenção de doenças e melhoramento da higiene do gado, considerando positiva a participação na feira, tanto pelo volume de vendas, quanto pela troca de experiências.

Gilson Neto referiu que a primeira participação da empresa GBN na Feira Agro-pecuária da Huíla visou apresentar e comercializar os fármacos e acessórios necessários no processo de criação de todo o tipo de animais.

"Temos desparasitantes internos e externos para os bovinos, caprinos e suínos feitos em Angola e comercializados a preços acessíveis cuja comercialização, na feira, pode atingir a fasquia de dez milhões de kwanzas”, adiantou.

A GBN, com sete anos de existência, optou pela produção de t produtos de saúde e sanidade animal, incluindo cães, gatos e aves de estimação. Gilson Neto avançou que o objectivo da actividade da empresa "é de reduzir as importações de vacinas e outros bens necessários para o desenvolvimento do gado”.

Considerou que um animal saudável pode ter um período de engorda curto, obtendo aceitação no mercado nacional e internacional, mas o "mesmo não se pode falar de gado cujo proprietário não tem em conta a regularidade das vacinas, fases de desparasitar, pasto e água”.

O veterinário António Gomes opinou que a saúde e o bem-estar do rebanho são essenciais para assegurar a boa produtividade, assim como ajudam a evitar despesas adicionais com veterinários, medicamentos e até com a reposição de animais.

As principais doenças que afectam o gado de leite, apontou, são a febre aftosa que é transmitida pela baba ou sangue de animais infectados, bem como pela água, aves e por pessoas que têm contacto com o rebanho.

"Os sintomas da febre aftosa são falta de apetite, aftas na boca, gengiva e língua, febre e lacerações no casco. Para a sua cura, é preciso tratar as feridas dos animais afectados e o ritmo cardíacos com medicamentos.

A brucelose, outra doença que afecta os bovinos, é causada pela bactéria Brucella Abortus, que contamina os animais por via oral ou no parto. Há também casos de contaminações em inseminações artificiais, quando o sémen contaminado é depositado directamente no útero da vaca.

O veterinário António Gomes informou que os sintomas são o aborto no final da gestação ou o nascimento de bezerros mortos ou fracos, isso nas fêmeas. Nos machos, há a inflamação dos testículos. A brucelose também torna os animais inférteis.

A mastite, outra doença tratada com os fármacos da GBN, é uma inflamação da glândula mamária das vacas que ocorre durante problemas na ordenha, devido à falta de higiene do ordenhador ou do ambiente em que os animais são tratados, com sintomas que incluem o úbere inchado, avermelhado e quente, bem como perda de peso.

Para ele, a tuberculose, tida como a mais preocupante por não haver tratamento ou vacina contra a doença, pode ser contraída pelo ar nas gotículas em suspensão ou por inalação de pó contaminado e ingestão de leite contaminado, tendo sinais pouco perceptíveis, com realce para a perda de peso e tosse.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia