Economia

Exportação de vinho português cai para 3%

Angola representou menos de três por cento das exportações de vinho português em 2021, com as vendas a diminuírem tanto em volume como em valor, apesar da subida do preço médio por litro, refere um estudo de mercado da ViniPortugal.

27/06/2022  Última atualização 10H35
© Fotografia por: DR

Em vésperas da Grande Prova de Luanda, que se realizou quinta-feira, o estudo de Abril revela que o destino lusófono não recuperou a importância que tinha há 10 anos, quando representava cerca de 40 por cento das exportações.

Apenas 2,61% das exportações totais de vinho português tiveram Angola como destino, em 2021, atirando o país para a décima segunda posição na lista dos destinos de exportação, ocupada nos lugares cimeiros por França, Estados Unidos da América e Reino Unido.

As exportações de vinho para Angola atingiram cerca de 24 milhões de euros entre Janeiro e Dezembro de 2021, totalizando 202.142 hectolitros, o que corresponde a um decréscimo de 7,71 por cento em volume e 7,40 por cento em valor, face ao ano passado.

Ainda assim, com uma quota de mercado aproximada de 85%, em termos de valor, Portugal viu o preço médio por litro a aumentar 0,34%, face a 2020, para 1,20 euros, ao contrário do que se vinha verificando desde 2018. No entanto, sem as categorias do vinho do Porto e Madeira, o preço foi inferior ao do ano anterior (menos 0,21%).

O vinho de mesa foi a categoria mais exportada, quer em volume (87%), quer em valor (64%), num total de 15,6 milhões de euros, seguindo-se os vinhos certificados (DOP - Denominação de Origem Protegida e IGP - Indicação Geográfica Protegida), que cresceram em volume e em valor (20 e 10%, respectivamente).

Alentejo e Douro foram as regiões que exportaram mais vinho, totalizando quase cinco milhões de euros, seguindo-se a Península de Setúbal, Vinho Verde, Lisboa, Dão, Porto, Tejo, Beiras, Bairrada e Madeira/Moscatel.

Em termos percentuais, o vinho do Porto foi a categoria com aumento mais expressivo, tanto em volume (122%) como em valor (116%).

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia