Economia

Expo-Uíge encerra hoje

A 10ª Expo-Uíge encerra hoje, no fim de três dias de actividades que envolveram 260 expositores dos 16 municípios daquela província, bem como de Benguela, Bengo, Cuanza-Norte, Malanje, Huíla e Lunda-Sul, de acordo com informações obtidas pelo Jornal de Angola no local.

06/07/2019  Última atualização 14H15
Edições Novembro

A exposição, realizada pela Administração Municipal do Uíge, para assinalar os 102 anos da cidade, visa, também, atrair investidores e levar a população a optar pelos produtos nacionais, para se diminuir a importação de bens produzidos na região.
Os expositores são fazendeiros, silvicultores e empresários de outros ramos do sector agro-pecuário e da indústria, florestal, do turismo e da gastronomia, bem como dos recursos minerais que, além de comercializar e trocar experiências com parceiros provenientes de outras partes do país, participam em seminários e outros encontros projectados para vitalizar a económica da província.
Para dinamizar o movimento turístico na província, foram convidados hoteleiros, empresas ligadas ao sector mineiro dos 16 municípios do Uíge, assim como membros da Associação das Mulheres Empresárias de Malanje e Lunda-Sul.
Carlos dos Santos, director comercial da C.Calas e co-organizador do evento, referiu que, este ano, a feira realiza-se sob lema “Uíge rumo ao desenvolvimento sustentável, para dar maior visibilidade às empresas locais e fortalecer o ambiente de negócios”.
“Pretendemos promover ao máximo as empresas sediadas no Uíge, para que elas saiam fortalecidas desta feira e possam contribuir para o crescimento económico da província. Por isso convidamos 260 expositores nacionais e estrangeiros para que haja grande interacção”, frisou.
O responsável notou que, este ano, o recinto apresenta modificações para que os expositores e visitantes se sintam confortáveis dentro e fora dos stands, tendo sido instalados postes para distribuição de corrente eléctrica e pontos de abastecimento de água.
O administrador municipal do Uíge, Emílio de Castro, referiu que o potencial agrário do município está por explorar e que os proprietários de fazendas e outras pequenas unidades económicas inoperantes estão na exposição para abrirem portas ao diálogo com os potências investidores.
“Temos que ser receptívos a todos aqueles que vêm para nos ajudar a crescer. Temos terras férteis e outros recursos, mas isso não chega: é preciso capital financeiro para relançar e colocar o município na senda do desenvolvimento”, afirmou.
A abertura da feira contou com a participação dos governadores do Uíge, Cuanza-Norte e Bengo. O programa no âmbito das festas da cidade inclui a realização de cultos ecuménicos, campeonatos de futebol e de xadrez, corridas de motorizada, espectáculos de música sacra, bem como “shows” de promoção e descoberta de novos talentos músicas.

 

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia