Economia

Expo “Feito em Angola” é um motor das relações económicas

O ministro da Economia e Planeamento, Mário Caetano João, disse ontem, em Luanda, que a 1ª edição da Expo Feito em Angola, inserida na visão de uma diversificação económica é um importante motor das relações económicas com o objectivo de dinamizar o sector produtivo, em especial as micro, pequenas e médias empresas.

08/12/2022  Última atualização 07H10
© Fotografia por: Edições Novembro

O governante, que falava na abertura do evento, a decorrer desde ontem até domingo, com mais de 300 empresas participações directas e indirectas, frisou que a Expo é "sinónimo de confiança e elevação do orgulho nacional”.

"Com o evento que hoje testemunhamos, importa relevar que se abre formalmente mais uma janela de oportunidades, para o reforço da cooperação empresarial, trocas de experiências entre pequenos e grandes empresários, nacionais e estrangeiros, não só para transacções comerciais de bens finais como também intermédios”, sublinhou.

Para o ministro, a comercialização de bens intermédios possibilitará ao país participar da cadeia de valor nacional, regional e até mesmo global, tirando maior proveito do Sistema Multilateral do Comércio, como também dos mais diversos acordos comerciais bilaterais e regionais existentes e em negociação.

Avançou que a  reestruturação da marca Feito em Angola veio dar dignidade aos produtos nacionais, "não só para o mercado interno como também externo".

Após 10 anos de implementação, disse, o selo e serviço Feito em Angola, desenvolvido no âmbito do Programa Angola Invest em 2012, tem sido um instrumento de fomento à produção nacional.

"A reestruturação do Feito em Angola realizada em 2022, como já mencionámos, destaca-se pela reformulação do selo, em que apresenta agora um código QR, que permite a leitura de um conjunto de indicadores associados ao produto, incluindo a localização geográfica, como elemento diferenciador e representativo da sua inovação tecnológica, conferindo mais segurança, maior valorização e exposição da oferta de bens e serviços nacionais no mercado interno e externo", apontou.

Os empresários nacionais e estrangeiros, salientou, têm uma oportunidade para fazer negócios em Angola, aproveitando as inúmeras vantagens comparativas existentes, fruto do quadro legal em contínua "mutação para um melhor e competitivo ambiente de negócios, o respeito pela propriedade privada e a jovem e vibrante e acolhedora força de trabalho, assim como o enorme potencial económico transcrito na grande extensão territorial, baixa densidade populacional, localização geográfica privilegiada e recursos hídricos e energéticos abundantes".

O serviço Feito em Angola registou, até agora, um total de 120 empresas, fruto de uma maior dinamização, sensibilização e mobilização desenvolvida pelo Instituto Nacional de Apoio às Micro, Pequenas e Médias Empresas (INAPEM) ao longo dos últimos sete meses.

"Estas 120 empresas que terão a oportunidade de conhecer nesta 1ª edição da Expo Feito em Angola, que subscreveram este novo serviço, representam mais de 535 produtos, bens e serviços, já registados pelo serviço Feito em Angola, para os quais foram emitidos 198 selos dos quais 10 selos verdes", informou.

As três províncias com mais produtos registados com a marca Feito em Angola são Luanda com 35,5 por cento, Huambo (10,6) e Benguela (9), sendo que os sectores de maior relevância na adesão está a indústria com 50,9 por cento, agricultura (15,5) e as pescas (11,6).

Para o próximo ano, espera-se efectuar a adesão do serviço Feito em Angola de 500 empresas e o registo de 1.000 produtos. Estima-se um crescimento médio anual de 25 por cento, até 2027. 

Organização satisfeita com níveis de participação

O presidente do Conselho Executivo da empresa Eventos Arena, Bruno Albernaz, disse que o nível de participação das empresas que estão a representar as 18 províncias na 1ª edição da Expo "Feito em Angola", é satisfatório, apesar de estarem presentes apenas 16.

Para ele, o evento que decorre sobre o lema "A Agricultura é a Base, e a Indústria o Factor decisivo", serve para as empresas nacionais mostrarem ao mundo as melhores oportunidades de negócios que Angola tem e oferecer nas 18 províncias.

"Mostra ao mercado e ao mundo tudo aquilo que se produz no país, sobretudo os disponíveis para oferecer", revelou .

O gestor da empresa que organiza o evento já pensa na 2ª edição da Expo Feito em Angola,  a realizar-se em 2023.

Na sua intervenção, o empresário disse que os indicadores da actual edição dão confiança de que a próxima feira terá uma "grande participação dos expositores", com maior realce para as empresas produtoras com o selo "Feito em Angola".


Ana Paulo e Adérito Veloso

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia