Economia

Estado eleva posição accionista no BAD

Angola aprovou a subscrição de 98.867 acções do Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) no valor aproximado de 80 milhões de dólares, no âmbito do sétimo aumento do capital social da instituição financeira.

01/05/2020  Última atualização 19H03
DR

Segundo o despacho oficial que aprova a decisão, a subscrição das acções enquadra-se no âmbito da consolidação das relações com as instituições financeiras internacionais, aumento da influência e poder de voto, bem como facilidades de acesso aos financiamentos e assistência técnica. O pagamento, no valor de 79.633.152 dólares, será dividido em oito prestações, ficando os actos e procedimentos necessários a cargo do titular do Ministério das Finanças.
Só durante os anos de 2018 e os primeiros quatro meses deste ano, o BAD aprovou programas de desembolso a favor de Angola parcialmente cifrados em 855 milhões de dólares, contando-se uma linha de crédito de 530 milhões, subscrita em Março para reforçar o sistema de transmissão e distribuição de electricidade.
Inclui-se outra linha, de 165 milhões de dólares, assinada em Novembro de 2019, com uma maturidade de 25 anos e oito de graça, destinada a financiar um Programa de Apoio Orçamental à Diversificação e Competitividade da Economia, com vista ao desenvolvimento do capital humano. Em Setembro de 2018, o banco continental colocou no BPC um valor de 120 milhões de dólares para financiar investimentos das pequenas e médias empresas (PME) que actuam nos sectores da indústria, agro-pecuária, energia, águas e pescas.
O Banco Millennium Atlântico (BMA) também está a intermediar, desde 2018, financiamentos totais de 40 milhões de euros colocados pelo BAD para apoiar negócios de pequenas e médias empresas.
O BAD foi criado em 1964 como uma instituição multilateral, dedicando-se a promover o desenvolvimento económico e social sustentável e a redução de pobreza nos países membros regionais, em África.

 

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia