Sociedade

Estado disponibiliza 40 milhões de dólares para a modernização da Rádio Nacional

Alberto Quiluta

Jornalista

O Estado angolano disponibilizou 40 milhões de dólares para o programa de modernização da Rádio Nacional de Angola (RNA), que vão permitir sair dos actuais 52,77 por cento de cobertura para 95, anunciou, nesta terça-feira (4), em Luanda, o presidente do Conselho de Administração da empresa.

05/10/2022  Última atualização 09H15
PCA do grupo RNA enaltece a evolução da empresa © Fotografia por: vigas da purificação | edições novembro

Pedro Afonso Cabral realçou, em entrevista exclusiva o Jornal de Angola, por ocasião do 47º aniversário da RNA, a ser celebrado hoje, com a implementação do programa é possível melhorar a cobertura do sinal de rádio, em especial nas zonas com maior aglomerado populacional.

Os 40 milhões de dólares, explicou, marcam o início da era da modernização da RNA, "que pode incluir, numa primeira fase, cinco províncias do país”. "Vamos usar a verba para apostar, também, na expansão do sinal e modernização dos estúdios”, referiu.

O presidente do Conselho de Administração disse que a verba vai permitir, igualmente, a empresa automatizar os equipamentos, para ter uma rádio mais ampla, global, plural, capaz de satisfazer a opinião de todos. "A empresa está em crescente evolução e o objectivo é sermos ouvidos a nível nacional”, assegurou.

Pedro Cabral lembrou não ser possível, nesta fase, o grupo RNA, cobrir todo território nacional, devido a dimensão do país e os parcos recursos da empresa. "Ainda não é possível termos antenas para cobrir todo o país. Esperamos minimizar o problema com a verba disponibilizada”, disse, além de acrescentar que a Rádio Nacional está a mais de oito anos sem receber apoios para investimentos.

Quanto a perda de alguns programas de referência, com carácter didáctico, o PCA da RNA explicou que o jornalismo é dinâmico e em nenhum momento retiraram a carga didáctica dos programas. "Temos programas diários com temáticas didácticas”, referiu, adiantando que a nível de quadros, a empresa conta com um número de colaboradores correspondente a 1.795 trabalhadores em todo o país.

"Somos financiados a 100 por cento pelo Estado e deste valor, 98 por cento, servem para custear despesas com o pagamento dos salários. Os dois por cento restantes são para a manutenção dos meios, assim como outros serviços”, esclareceu.

A empresa

O grupo RNA conta com cinco rádios nacionais: Canal A, Ngola Yetu, Rádio Cinco, Online e Cultura, está última a evoluir como um canal nacional. A empresa tem 18 rádios provinciais, sete municipais, três regionais, 29 centros de produção e 80 repetidores espalhados por todo o país. Em termos de emissores, que são os sinais de propagação, a RNA conta com 132. Só a Rádio Cinco conta com 43 emissores, a Ngola Yeto 20 e as estações províncias têm 46.

Pedro Cabral explicou que, no domínio tecnológico, a RNA superou imensas etapas e alargou o sinal e a cobertura pelo país. Com a evolução do sistema "streaming”, cuja experiência foi um sucesso em Cabinda, a RNA tem conseguido aumentar o grau de cobertura de transmissão.

"Em Cabinda, com este serviço, o sinal chega aos países vizinhos”, disse.

Apesar de satisfeito com os avanços, o PCA da RNA lembrou que existem, ainda, no país, localidades onde o sinal da rádio nunca chegou. "A aposta tem sido usar o‘streaming’. Temos o caso do município do Alto Zambeze, no Moxico, que é o maior município do país, onde a propagação do sinal não abrange toda a zona”, lembrou, sublinhando que o Conselho de Administração da Rádio Nacional de Angola está a trabalhar na resolução dos problemas existentes em algumas localidades, como é o caso do Alto Zambeze.

Pedro Cabral falou, igualmente, do rejuvenescimento da empresa e disse que a Rádio Nacional de Angola tem procurado adaptar-se ao momento e contexto. À medida que alguns quadros passam à reforma, a empresa vai apostando em jovens, em especial aqueles com algum grau de experiência. "Temos tido negociações com os reformados para que, num prazo de três a seis meses, passarem conhecimentos aos novos jornalistas, como forma de garantir a continuidade”, adiantou.

Ministério

O ministro das Telecomunicações, Tecnologias de Informação e Comunicação Social, Mário  Oliveira, endereça ao Conselho de Administração do Grupo Rádio Nacional de Angola e aos funcionários sinceros votos de feliz aniversário.

  Felicitações

O Bureau Político do Comité Central do MPLA felicita o Conselho de Administração, o colectivo de funcionários e colaboradores da Rádio Nacional de Angola, pelo 45º aniversário celebrado hoje e apela aos profissionais para manterem a dedicação no exercício da difusão de uma informação transversal, construtiva, inclusiva, que enalteça os valores da angolanidade e a elevação do Estado Democrático de Direito, bem como a afirmação da cidadania participativa.

Para o cabal cumprimento da sua principal missão social de informar, formar e recrear, o Bureau Político encoraja o Conselho de Administração a salvaguardar, sempre, a qualificação e aproveitamento dos recursos humanos, com base nas melhores práticas, na perspectiva de enfrentar e vencer os desafios impostos pela concorrência e a pluralidade no espaço informativo nacional, a luz das reformas necessárias que visam a modernização tecnológica e adaptação da Rádio Nacional de Angola ao contexto actual.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Sociedade