Economia

Estado aliena 112 activos e participações até 2022

O Executivo prevê lançar processos de privatização sobre 112 activos e participações do Estado este e no próximo ano, desencadeando concursos para a alienação de 30 unidades fabris implantadas na Zona Económica Especial (ZEE) Luanda-Bengo já “nos próximos dias”.

29/07/2021  Última atualização 07H00
© Fotografia por: DR
A notícia, foi veiculada ontem, pela Angop, com base em informações do Instituto de Gestão de Activos e Participações do Estado (IGAPE), na primeira de cinco  apresentações itinerantes do Programa de Privatizações (PROPRIV no estrangeiro, realizada por videoconferência com investidores portugueses. 

Nesta terceira vaga na ZEE, estão incluídas a Angola Cabos (indústria de fibra óptica), Angotor (de torneiras), Undupame (de pavilhões metálicos), induplastic (de plásticos PVC), Indugalv (de galvanoplastia), Indutubo (de tubos PEAD),  Infer ( de ferragem), Mateléctrica (de material elétrico), Indulouças (de louça sanitária), Ninhoflex (de colchões).

O administrador executivo do IGAPE, Augusto Kalikemala, afirmou que estão em processo de preparação para a privatização, parcial e total, a Unicargas, Secil Marítima, projecto agro-pecuário Aldeia Nova (Cuanza-Sul),  da Nova Cimangola (fábrica de cimento), e das participações retidas nos bancos Angolano de Investimento (BAI) e Caixa Angola.
Integram ainda a lista de processos de preparação para alienação a empresa de telecomunicações Multitel e as acções retidas na Sonangalp, além da Angola Cables,  a TV Cabo e a Biocom-Companhia de Bioenergia. 

Os perímetros  irrigados do Caxito (Bengo), das Gangelas (Huíla), Mucoso (Cuanza-Norte) e Waco Kungo (Cuanza-Sul) também vão ser privatizados.

Lista da  Sonangol

A Sonangol aparece, de igual modo, com uma vasta lista de participações para alienar, entre os quais se conta a privatização  dos activos detidos na Sociedade de Refinação da Costa do Marfim (Societe  Ivoiriense de Raffinage),  da Enco (Empresa Nacional de Combustíveis e Óleos), implantada em São Tomé e Príncipe, da Diraniproject III- projectos imobiliários, situada em Portugal.

O processo de venda da participação da Sociedade Nacional de Combustíveis de Angola (Sonangol) na empresa China Internacional Holding (CSIH) pode começar  também este ano, segundo o IGAPE.

De 2019 a 2020, foram privatizados  33 empreendimentos diversos, dos 195 previstos, que levaram a um encaixe de 355 120 milhões de kwanzas para o erário.

 "Os empresários portugueses olham para Angola com o interesse de estabelecer parcerias com  empresas angolanas”, considerou o embaixador, Pedro Pessoa e Costa, sublinhando que as empresas portuguesas são sempre bem-vindas para Angola.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia