Opinião

Espécies de concordância

A concordância deve ser entendida como a identidade de género, entre certas palavras, e de número e pessoa, entre outras. Define-se como «a partilha de traços gramaticais como o género, o número e a pessoa, entre dois ou mais elementos estruturais». (Eliseu, 2008, p. 69).

28/06/2022  Última atualização 11H07

Lembre-se de que as relações que um constituinte mantém com os outros definem-se pela posição ocupada, na sequência sintagmática.

 

CONCORDÂNCIA POR SILEPSE (OU PELO SENTIDO OU IDEOLÓGICA)

 

Acontece entre elementos da oração segundo a lógica da representação comunicada. Faz-se não com a forma gramatical das palavras, mas com o sentido, com a ideia que as palavras expressam. É, portanto, feita fora das estritas correspondências sintácticas.

A maioria dos angolanos foram às urnas. (Concordância siléptica)

Verifica-se, no entanto, que o verbo (foram) concorda não com o sintagma nominal sujeito, mas com a expressão encaixada (os angolanos).

A concordância sintáctica daria a frase:

A maioria dos angolanos foi às urnas. (concordância sintáctica)

O verbo, aqui, concorda com a expressão partitiva (a maioria) que constitui o núcleo do grupo nominal em função do sujeito.

 

CONCORDÂNCIA PELA PROXIMIDADE

 

Contrariamente à concordância por silepse, a concordância pela proximidade é aquela feita por contiguidade dos elementos sintácticos:

Aquele beijo foi dado num inoportuno lugar e hora

Aquele beijo foi dado num lugar e hora inoportuna

Aquele beijo foi dado num lugar e hora inoportunos

 

CONCORDÂNCIA SINTÁCTICA (gramatical)

 

Como dissemos, entenda-se por concordância a correspondência que deve existir em género, número e/ou pessoa, entre as palavras flexionáveis que se encontram numa frase ou expressão. Entretanto, a concordância sintáctica será a indispensável correspondência de género, número e pessoa entre os elementos da oração, ou seja, é a que se estabelece entre os sintagmas da oração segundo um critério de correspondência formal lógica, isto é, singular/singular, masculino/masculino, etc. É, portanto, esta espécie de concordância que define a lógica do padrão de correcção.

 

VIOLAÇÃO À REGRA DE CONCORDÂNCIA

 

"A equipa não teve estrutura competitiva para ombrear de igual para igual com os adversários do seu grupo, na primeira fase, onde averbaram uma derrota (0-1 com os Camorões), um empate (1-1, contra o Mali) e uma vitória (2-1, diante da Costa do Marfim). Nos quartos-de-final foram impotentes para travar a Tunísia, com a qual perderam por 0-1”.

Como se pode notar, o nome a equipa é uma expressão de sentido colectivo, porém tem o valor sintáctico singular, ou seja, funciona, na frase, como uma estrutura singular. Por isso, os verbos averbar, ir e perder, bem como o adjectivo impotentes, referindo-se à expressão a equipa, devem flexionar no singular, concordando com ela em número.

Assim:                                                              

1.      A equipa não teve estrutura competitiva para ombrear de igual para igual com os adversários do seu grupo, na primeira fase, onde averbou uma derrota (0-1 com os Camorões), um empate (1-1, contra o Mali) e uma vitória (2-1, diante da Costa do Marfim). Nos quartos-de-final foi impotente para travar a Tunísia, com a qual perdeu por 0-1.

Não obstante esta correcção, a frase continua ainda incoerente, devido ao emprego de onde e da preposição com, afectando erradamente o sentido da frase, distorcendo a informação que se pretende passar. Como mostra o resultado, somente uma equipa perdeu/ganhou (e não seria o contrário). Quem perde, (neste caso concreto pontos), perde para e não com, já que a preposição com junta e não separa. Por isso, o correcto seria:

2.      A equipa não teve estrutura competitiva para ombrear de igual para igual com os adversários do seu grupo, na primeira fase, em que averbou uma derrota (0-1 contra os Camorões), um empate (1-1, contra o Mali) e uma vitória (2-1, diante da Costa do Marfim). Nos quartos-de-final,foi impotente para travar a Tunísia, para a qual perdeu por 0-1.

 

Manuel Dala  |Professor de Língua Portuguesa

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Opinião