Mundo

Erdogan volta a ameaçar travar adesão da Suécia e Finlândia à NATO

Presidente da Turquia, Recep Erdogan, ameaçou bloquear a adesão da Suécia e da Finlância à NATO “até que as promessas” de ambos os países “sejam cumpridas”.

02/10/2022  Última atualização 13H45
Presidente turco quer ver as suas exigências satisfeitas © Fotografia por: DR

"Enquanto todas as promessas ao nosso país não forem cumpridas, manteremos a nossa posição de princípios”, disse o Presidente no Parlamento, acrescentando que "não fará concessões na luta contra o terrorismo”.

A Turquia acusa os países escandinavos de darem protecção a militantes curdos descritos por Ancara como terroristas no Norte da Síria.

O líder turco exige, entre outras coisas, o repatriamento de alguns suspeitos e o levantamento do embargo de armas sueco. A Suécia anunciou, sexta-feira, que está pronta para fornecer equipamentos militares à Turquia.

A Presidente da Eslováquia, Zuzana Caputova, assinou, quarta-feira, a resolução de ratificação da adesão da Finlândia e da Suécia à NATO, depois de o Parlamento eslovaco ter dado "luz verde” à entrada dos dois países na NATO.

A invasão da Ucrânia pela Rússia justificou os pedidos de adesão da Suécia e Finlândia à organização militar ocidental, pondo termo a décadas de não-alinhamento militar.

Após a resistência inicial da Turquia, os Chefes de Estado e de Governo da NATO, reunidos em Cimeira em Madrid, convidaram oficialmente, em 29 de Junho, a Suécia e a Finlândia a tornarem-se membros da Aliança.

Antes dessa reunião, tinha sido alcançado um acordo para que a Turquia levantasse o seu veto, em troca de um maior comprometimento dos dois países escandinavos na luta contra o grupo terrorista Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK).

Nesse sentido, os protocolos de adesão dos dois países foram formalmente assinados pelos embaixadores dos 30 Estados-membros da NATO a 5 de Julho, devendo agora ser ratificados pelos parlamentos de todos os países da Aliança Atlântica e comunicados ao Governo dos Estados Unidos para poderem entrar em vigor.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Mundo