Economia

ENI anuncia arranque da produção no Cuica

O campo Cuica, anunciado pela petrolífera italiana ENI, no início de Abril, vai ser ligado à Unidade de Armazenamento e Descarga Flutuante (FPSO) do Bloco 15/06 “nos próximos dias”, iniciando a produção apenas quatro meses depois da descoberta, em Março, revelou, ontem, em Roma, o presidente da companhia.

31/07/2021  Última atualização 06H15
Líder da companhia petrolífera italiana ENI Claudio Descalzi © Fotografia por: DR
Claudio Descalzi, que falava na apresentação dos resultados globais da ENI relativos ao primeiro semestre, declarou que essa evolução dá-se mercê da agilização dos processos entre a exploração e a comercialização, destacando Angola entre as operações mais bem sucedidas da companhia, que também ocorreram na Noruega, Indonésia e Ghana.

 Realce-se que, quando anunciou a descoberta, em Abril, a ENI indicou que, localizado em águas profundas, o Cuica conta com reservas estimadas entre 200 e 250 milhões de barris de petróleo leve, dando lugar à previsão de uma produção de 10 mil barris por dia.

Numa outra declaração relativa a Angola, durante a conferência de apresentação dos resultados, Claudio Descalzi referiu o que considerou uma "combinação de negócios” entre a ENI e a congénere britânica BP para as operações no país, num consórcio que "representará um veículo operacional e financeiro totalmente autónomo”.
De acordo com o líder da petrolífera italiana, o consórcio vai impulsionar o crescimento das operações em Angola, captando sinergias entre dois dos maiores operadores locais.

"O nosso objectivo é replicar o sucesso do VAR (uma combinação de negócios realizada na Noruega) "num país onde prevemos um grande potencial de exploração e desenvolvimento”, disse.

Segundo informações disponíveis na nossa Redacção, em Maio, a ENI e a BP celebraram um Memorando de Entendimento não vinculativo (MdE) para avançar com discussões detalhadas para a união dos seus portfolios no domínio da exploração e desenvolvimentoo em Angola, incluindo os seus interesses nos sectores de petróleo, gás e LNG.

A ENI, recorde-se,  é a operadora do Bloco 15/06 e dos blocos de exploração Cabinda Norte, Cabinda Centro, 1/14 e, brevemente, do Bloco 28, e é também operadora do Novo Consórcio de Gás (NGC). Além disso, a ENI tem participação em blocos operados por parceiros como o 0 (Cabinda), 3/05, 3/05A, 14, 14 K/A-IMI, 15 e Angola LNG.

O líder da ENI declarou que, no primeiro semestre, a companhia obteve lucros situados em  1 112 milhões de euros, um resultado que considerou ser "melhor que o esperado”, invertendo as perdas de 7 332 milhões registadas no mesmo período de 2020.

O lucro operacional ascendeu para 3 857 milhões de euros, diante de uma cifra negativa de 3 775 milhões, e as receitas somaram 31 439 milhões de euros, mais 39,7 por cento que no período homólogo de 2020. Os custos operacionais foram de 23 677 milhões de euros, mais 25 por cento.       

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia