Economia

Endiama anuncia perdas dos lucros de 2020

Xavier António

Jornalista

A Empresa Nacional de Diamantes de Angola (Endiama) anunciou uma perda dos lucros de 24 por cento, em 2020, quando encerrou o exercício com um resultado líquido positivo de 13,38 mil milhões de kwanzas (20,60 milhões de dólares), menos 4,22 mil milhões de kwanzas (15,91 milhões de dólares) que no ano anterior.

14/01/2022  Última atualização 09H30
© Fotografia por: DR
Segundo o relatório de gestão e contas de 2020, o decréscimo é explicado pelo aumento dos custos não operacionais em 149 por cento, sob influência do impacto do suporte a encargos de Responsabilidade Social Corporativa e as provisões de Responsabilidades Creditícias Indirectas junto da banca comercial.

O documento, a que o Jornal de Angola teve acesso, ontem, esclarece que, apesar da redução do preço médio do quilate de 138 dólares, em 2019, para 131 dólares, em 2020, observou-se um aumento nos proveitos operacionais de 37 por cento atribuído ao volume de pedras especiais encontradas ao longo do exercício.

No período compreendido de 2019 a 2020, o subsector diamantífero realizou investimentos na ordem dos 248 milhões de dólares, dos quais 174 milhões realizados em 2019 e 73 milhões de dólares em 2020.

No final de 2020, os activos da companhia estatal totalizaram 150,6 mil milhões de kwanzas  (231,92 milhões de dólares), contra 114,1 mil milhões de Kwanzas (236,6 milhões de dólares) em 2019, tendo-se verificado um aumento de 32 por cento.

O passivo total cifrou-se em 119,1 mil milhões de kwanzas (183,34 milhões de dólares), contra 67,2 mil milhões de kwanzas (139,42 milhões de dólares) registados em 2019, o que representa um aumento de 77 por cento.

Com o surgimento da pandemia da Covid-19, no primeiro trimestre de 2020, a Endiama adoptou uma previsão de produção para uma recuperação de 8,3 milhões de quilates, mas só foram recuperados 7,9 milhões de quilates, em que 7,8 milhões são atribuídos à produção industrial e 30 041,07 à semi-industral, menos 0,39 por cento que no ano anterior.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia