Opinião

Empregos

A economia angolana arrefeceu, com a falência de muitas empresas, nomeadamente as pequenas e médias.

09/03/2020  Última atualização 06H53

Este arrefecimento gerou o aumento da taxa de desemprego que tem afectado milhares de jovens, muitos dos quais com cursos médios e superiores. A crise que nos afecta permitiu-nos perceber que, afinal, as empresas privadas são importantes numa economia, pelo que fazem sentido os esforços que o Governo vem fazendo para que haja incentivos a unidades produtivas nacionais, com vista a haver mais postos de trabalho e mais crescimento económico. É acertada a aposta do Executivo em acções orientadas para facilitar a concessão de crédito a pequenas e médias empresas do sector produtivo privado. O importante é que o processo seja bem conduzido e que o crédito destinado a financiar empresas chegue àqueles empresários que realmente estão dispostos a levar a cabo actividades produtivas. Não podemos mais estar a brincar com o dinheiro, como aconteceu no passado, em que se dava crédito a pessoas que não tinham qualquer vocação para a actividade empresarial. Há no país muitos angolanos (jovens e não só) que querem realizar pequenos negócios. Que se apoiem esses angolanos para que haja cada vez mais empregos no país .
l
Subnutrição 

Há casos de subnutrição no nosso país, em particular entre as crianças. Era bom que os governos de todas as províncias do país tivessem o controlo dos casos de subnutrição que afectam as nossas crianças, para que se concebam programas de assistência que possam abranger todas as pessoas afectadas pela falta de alimentos. Sei que há crianças que vão à escola sem comer e quando regressam a casa não encontram nada para se alimentarem. Penso que a distribuição da merenda escolar nas escolas públicas pode contribui imenso para se combater a subnutrição em muitas regiões do país. O importante é que a distribuição da merenda para as nossas crianças que estão na escola seja entregue a empresas bem estruturadas e que garantam efectivamente que os alimentos cheguem àqueles que deles precisam . 

Laurindo Pinto|Camama


Estudantes e pequenos negócios
Há estudantes do ensino médio e universitário que se dedicam à venda de diversos priodutos à noite para poderem pagar as propinas nas escolas em que estudam. Esses estudantes, jovens, vendem geralmente doces e salgados até altas horas da noite para conseguirem algum dinheiro, com vista a não desistirem dos estudos. Louvo a iniciativa destes jovens, que depois das aulas, ainda arranjam um tempo à noite para fazerem pequenos negócios., porque os seus pais não têm possibilidade de suportar despesas decorrentes dos seus estudos .
Marlene João|Terra Nova


Buracos nas ruas
Os buracos existentes na rua que passa pelo Laboratório de Engenharia de Angola (LEA) já são famosos. As pessoas fazem geralmente a seguinte pergunta: será que não é possível tapar os buracos que existem na referida rua e que podem até causar acidentes? Eu tenho uma sugestão: que o Laboratório de Engenharia de Angola e a Administração do Distrito Urbano da Maianga estabeleçam uma parceria para resolver o problema dos buracos da rua que acima mencionei e de outras vias degradadas existentes naquela circunscrição. Será que não podemos resolver pequenos problemas?
Arménio Lucas |Prenda

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Opinião