Economia

EMIS reconhece fraude nas transacções “Express”

A Empresa Interbancária de Serviços (EMIS) emitiu esta terça-feira (3), um alerta, para que as pessoas tenham em conta o fluxo de ocorrências de burla nos pagamentos via Multicaixa Express (MCX Express).

04/05/2022  Última atualização 09H50
© Fotografia por: DR

A fraude consiste em chamadas telefónicas, envio de mensagens e solicitação de preenchimento de formulários em páginas falsas na Internet, atribuídas à EMIS. Em comunicado, a EMIS diz que esta instituição, nem os bancos ligam, "em momento algum”, para os clientes a solicitar o fornecimento de dados pessoais e código de segurança, que é de exclusividade do detentor.

A Empresa Interbancária aconselha aos utilizadores do MCX Express a nunca fornecerem dados pessoais, pin ou qualquer código de validação ao telefone, assim como mensagens ou preenchimento de formulários, "para evitar serem vítimas de burlas, cuja consequência é o saque indiscriminado dos fundos nas contas bancárias”.

O documento da EMIS refere que as páginas informativas da rede Multicaixa e dos bancos, nas redes sociais, nunca são usadas para solicitar dados pessoais. A nota acrescenta que "o PIN é pessoal e intransmissível e nunca deve ser fornecido a terceiros, mesmo que estes se identifiquem como gestores de conta, funcionários dos bancos e da EMIS”.

Fruto do quadro actual de permanente fraude financeira, a EMIS informa ainda que reforçou as acções de sensibilização junto dos utilizadores do canal MCX Express. A EMIS recorda que "o canal MCX Express é extremamente seguro, porque obedece às melhores práticas internacionais, bastando aos seus utilizadores não se deixarem levar por falsas e tentadoras ofertas”.

Conforme o relatório da EMIS, até ao mês de Julho de 2021 foram movimentados, através do MCX Express, 2.294,4 biliões de kwanzas, um acréscimo de 206,7 por cento, comparado com os 748,2 mil milhões de 2020.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia