Economia

Embarcações de pesca por licenciar desde há um ano

Um complexo industrial de pesca denominado WangFestão - KP, erguido há um ano no município do Porto Amboim, Cuanza-Sul, está impedido de iniciar operações de captura, congelação e comercialização pela morosidade no licenciamento de 21 embarcações adquiridas na Mauritânia e China.

01/02/2020  Última atualização 13H19
LUÍS PEDRO | EDIÇÕES NOVEMBRO © Fotografia por: Líder da Wang-Festão, Cardoso Pereira, lamenta os prejuízos

O presidente do Conselho de Administração da WangFestão - KP, Cardoso Pereira, adiantou que, na primeira fase do projecto, foram investidos 20 milhões de dólares na instalação de um moderno sistema de frio para a congelação de 200 toneladas de pescado por dia, bem como na construção de uma ponte cais com capacidade para a recepção de cinco barcos de pesca em simultâneo.
O complexo pesqueiro, erguido numa área de 26 mil metros quadrados possui, ainda, armazéns, áreas de carga e descarga de pescado, secagem e embalagens, distribuição, assistência técnica e outras valências.
Segundo Cardoso Pereira, a documentação para a legalização está no Ministério das Pescas e do Mar desde Setembro do ano passado.
Durante uma visita do governador do Cuanza-Sul, Job Capapinha, Cardoso Pereira solicitou apoio do Governo Provincial e outros organismo do Estado, admitindo haver pessoas de “ma- -fé” interessadas em prejudicar o investimento, que pode dinamizar a economia do município pesqueiro de Porto Amboim e da província, em geral.
Acrescentou que, cada embarcação terá 20 marinheiros, três dos quais estrangeiros para a formação de nacionais a bordo, no que considerou um “grande ganho” em matéria de diminuição do desemprego. “Mil e quinhentos empregos directos e quatro mil indirectos podem ser criados nesse complexo, pois tem todas as condições infra-estruturais para o arranque”, referiu.
A fonte lamentou os prejuízos com a permanência dos barcos em estaleiros da Mauritânia e China, para o que, em Novembro, foram pagos 160 mil dólares, aguardando-se a factura de Janeiro.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia