Economia

Embaixador promete apoio à exportação de Café Ginga

O embaixador na Argentina, Fidelino Peliganga, manifestou interesse em apoiar a exportação de Café Ginga para aquele país, durante uma visita realizada, ontem, à fábrica de Luanda em que a marca detida pelo Grupo Angonabeiro é produzida.

14/05/2022  Última atualização 07H45
Empresas argentinas interessadas em importar o Café Ginga © Fotografia por: DR

Um grupo de empresários argentinos manifestou interesse no Café Ginga, declarou o diplomata, manifestando-se disponível para estabelecer uma "ponte” para que a marca conquiste mercado no país sul-americano. 

O embaixador, que se encontra em Luanda numa deslocação de trabalho, disse que vai aproveitar a estadia para manter encontros com empresários angolanos interessados em expandir as vendas de produtos fabricados no país para a Argentina. 

A Angonabeiro detém a marca Ginga (produzida apenas com recursos e grão angolanos), muito popular em Angola e já tem sido exportada para alguns países de África e da Europa.

Fidelino Peliganga é o segundo diplomata que, este mês, visita a unidade de produção da Café Ginga, depois de, a 2 de Maio, o embaixador de Portugal, Francisco Duarte, ter estado nas instalações da Angonabeiro, que apresenta a marca como um "produto estrela” na companhia.

O diplomata português destacou a relação da marca angolana com os Cafés Delta portugueses, manifestando confiança na continuidade da associação garantida pelo Grupo Angonabeiro, que também detém o rótulo luso.

O Grupo Angonabeiro emprega mais de 100 trabalhadores nas instalações fabris e de armazenamento, em Luanda, uma área de quatro mil metros quadrados onde embala  mais de 400 toneladas de açúcar e 200 toneladas de café torrado, este, um produto adquirido a 20 mil produtores em Angola.

Criada pelo Grupo Nabeiro em 1998, numa parceria de pendor institucional estabelecida para revitalizar a fileira do café, a Angonabeiro arrancou com a gestão e modernização da fábrica da Liangol, que estava desactivada desde 1984. Em 2001, tiveram início as operações industriais da companhia e, no mesmo ano, foi inaugurada a torrefacção do Café Ginga.

A companhia afirma que, ao longo de mais de 20 anos, tem crescido de forma sustentada, trabalhando em estreita colaboração com o Executivo angolano, que considera este sector nuclear para a diversificação da economia.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia