Reportagem

Ela é a “Lavadeira do Huambo”

Juliana Domingos| Huambo

Jornalista

É com esta confissão, de reminiscência familiar, que Landy Gonçalves reconhece que “as mulheres daquele tempo”, por falta de electrodomésticos “tiveram muitas dificuldades” para cuidar e manter em dia a roupa da família, principalmente dos maridos: “tinha que estar tudo bem lavado, engomado e o vinco das calças rigorosamente bem alinhado”.

24/04/2022  Última atualização 12H30
Landy Gonçalves © Fotografia por: DR

"A nossa mãe ensinou-nos, desde muito cedo, a cuidar da roupa. E dizia mais: ‘quando vocês tiverem as vossas casas, mesmo com inúmeras dificuldades, cuidem bem da roupa dos maridos e dos filhos. É um factor importante na união familiar’. É um conselho que, não importa as circunstâncias, não sai da minha cabeça. É uma lição para a eternidade!”

Foi inspirada nesta "lição para a eternidade”,  que, transcorridas três décadas na sua vida, Landy Gonçalves, de sobrenome Ganga Camilo Malonga, decidiu abraçar a actividade empresarial como forma de valorizar o "ensinamento, dedicação e acompanhamento” da mãe, a quem considera "a guerreira” da sua vida.

A ideia que tinha na cabeça, enquanto criança, era, se não houvesse outras alternativas, ser lavadeira, isso porque, segundo diz "sempre gostei de cuidar de roupa”. Por uma questão de convicção social: "gosto de ver as pessoas com a roupa bem tratada, não importa ser do fardo ou de grife”, revela, num claro destapar do segredo das razões que a levaram a apostar na abertura de lavandarias na província do Huambo.

Mas, afiança, a aventura empresarial começou  muito antes, em 2006, com a comercialização de roupa de cama e ténis adquiridos na Namíbia, e, posteriormente, em 2011, com a venda de roupas, perfumes e acessórios para homens, comprados no Dubai. "Os recursos financeiros eram escassos, mas, de alguma forma, tinha de começar a trilhar a vida no mundo dos negócios”, recorda.

Em 2015, por imposição do crescimento do negócio, a jovem Landy Gonçalves, de uma compleição física invejável, semelhante à de uma basquetebolista (1,95 metro), formalizou a sua empresa para dar corpo à actividade de geladaria, mas, "por muitas dificuldades”, acabou por fechar as portas. "Nos negócios, há sempre estes riscos. Não falhei, as coisas é que não correram como previsto”.

Foi necessário recuar no tempo, quando sonhava em "ser lavadeira”, para em 2017 apostar no ramo da lavandaria, abrindo o primeiro estabelecimento -  "pequeno” - na Centralidade do Lossambo. "Sentimos, pela concorrência, que era um bom negócio”, diz, pelo que, em 2018, abriu outra loja na Cidade Baixa.

"O meu sonho é continuar a crescer. Abrir, se possível, lavandarias em toda a parte Sul do país. Ou melhor, ter uma rede de lavandarias”.

 

Em busca dos sonhos

Os sonhos comandam a vida, daí que, mesmo com alguns tropeços, Landy Gonçalves está a construir a carreira empresarial que sempre ambicionou, procurando, também, contribuir para a geração de empregos, sobretudo para mulheres, por serem, como afirma, "a camada que mais sofre com o desemprego”.

"Nas duas lavandarias já são nove funcionários. Não é muito, mas é um princípio de crescimento”, declara a jovem empresária, que também empresta o seu contributo a uma empresa de aviação. Ela confia aos leitores do Jornal de Angola a "essência” do seu espírito empreendedor: "ser curioso e persistente e  não esperar por um empurrão de alguém”.

Landy Gonçalves revela que, se fosse "uma pessoa de ficar desanimada” com os percalços da vida, há muito que teria desistido de empreender, sobretudo quando teve que fechar a geladaria. "Foi um investimento assinável. Mas, apesar de tudo, continuamos. Há uma lição que tirei e aprendi: desânimo não paga dívida”.

Ela é também conhecida como "A Lavadeira do Huambo”, apelido que ganhou por "culpa” das amigas que admiram o seu trabalho. Optimismo e fé são as "chaves-mestras” que Landy tem para ultrapassar as dificuldades, quando, por exemplo, uma das máquinas de lavar avaria ou faltam os produtos para retirar as manchas nas roupas.

"Os problemas são enfrentados sem desculpas. Preciso estar sempre focada no andamento do nosso negócio”, explana, rematando que "não será por falta de substituição de uma peça que vou deixar de lavar a roupa dos meus clientes”. 

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Reportagem