Cultura

Editor livreiro Zeferino Coelho distinguido com prémio literário

O editor livreiro Zeferino Coelho é o distinguido com o Prémio Vasco Graça Moura-Cidadania Cultural/2022, pela sua actividade de mais de 50 anos em prol da literatura e da cultura portuguesas, anunciou a Estoril Sol.

05/01/2022  Última atualização 10H30
© Fotografia por: DR
Segundo comunicado da Estoril Sol, que promoveu o galardão pela sétima vez consecutiva, o júri enalteceu a "acção desenvolvida, ao longo de mais de cinquenta anos, como editor e activo promotor da literatura e da cultura da língua portuguesa no mundo”.

A mesma fonte, que cita a ata do júri, ao qual presidiu Guilherme d’Oliveira Martins, do grande conselho do Centro Nacional de Cultura, Zeferino Coelho "foi editor de José Saramago, desde o romance ‘Levantado do Chão’ (1980) e todos os outros livros publicados, até à sua morte (em 2010)” e foi, ainda, editor de oito vencedores do Prémio Camões, o mais importante galardão da língua portuguesa: José Craveirinha (1991), o próprio José Saramago (1995), Sophia de Mello Breyner (1999), Luandino Vieira (2006, que recusou), Arménio Vieira (2009), Mia Couto (2013), Germano Almeida (2018) e Paulina Chiziane (no ano passado).

"Só por si, este conjunto de autores editados, entre muitos mais, demonstra bem a importância da intervenção cultural do premiado, em especial no tocante à difusão nacional e internacional da literatura de língua portuguesa”, salienta o júri, citado pela Estoril Sol. Zeferino Coelho, nascido em 1945, em Paredes, no distrito do Porto, "é considerado, desde há muito tempo, como um dos mais importantes nomes do cenário editorial lusófono. Através da Caminho, que actualmente integra o grupo LeYa, foi o editor do único Nobel da Literatura portuguesa, José Saramago, (que o recebeu em 1998) bem como de um prestigiado elenco de outros autores de referência do mundo lusófono”, realça a Estoril Sol.

Licenciado em Filosofia pela Universidade do Porto, Zeferino Coelho iniciou o seu trabalho como editor em 1969 na Editorial Inova, onde se manteve até 1971, e em 1977, fundou a Editorial Caminho, à qual se mantém ligado.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Cultura