Economia

Divisão do mundo em blocos pode diminuir 5,00% ao PIB

A directora-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), Ngozi Okonjo-Iweala, discursou, domingo, na Conferência Ministerial da Organização, avisando que uma nova divisão entre blocos mundiais, devido à guerra na Ucrânia, pode tirar 5,0 por cento ao PIB (Produto Interno Bruto) mundial.

14/06/2022  Última atualização 09H55
© Fotografia por: DR

Se as actuais tensões geopolíticas decorrentes da guerra na Ucrânia levarem o mundo a uma nova divisão em blocos, "isso pode gerar uma descida de 5,0% no Produto Interno Bruto mundial”, vincou Okonjo-Iweala, lembrando que na crise financeira de 2008 e 2009 houve uma recessão de 3,5% do PIB, nos países desenvolvidos.

A líder da OMC vincou que, "a este cálculo, há que acrescentar as perdas derivadas da redução das economias de escala, os custos de transição para as empresas e trabalhadores, a realocação de recursos e as barreiras regulatórias que cada bloco iria impor”, além das tensões sociais e migratórias.

A directora-geral nigeriana, a primeira mulher a dirigir a OMC, lançou esta advertência no primeiro dos quatro dias de negociações em Genebra sobre questões comerciais importantes, como a eliminação dos subsídios que promovem a pesca prejudicial, a suspensão das patentes sobre as vacinas contra a Covid-19 e as medidas para aliviar a crise alimentar mundial desencadeada pela guerra na Ucrânia.

De acordo com a agência espanhola EFE, um dos grandes desafios da OMC é a necessidade de uma aprovação por unanimidade nos votos que são levados ao plenário, o que na prática significa que qualquer país pode paralisar as decisões da organização.

No contexto, a principal preocupação será a postura da Rússia nas negociações e, depois, nas votações. Perante estes desafios, Okonjo-Iweala pediu a todas as delegações para se esforçarem nas negociações, que vão decorrer "num momento de grande crise e incerteza”, já que na última cimeira ministerial, em Buenos Aires, em 2017, poucos avanços foram alcançados.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia