Economia

Dez bens são sujeitos a padrões de produção

Hélder Jeremias

Jornalista

Uma lista de dez bens nacionais que passam a estar sujeitos à regulamentação técnica no processo de produção é divulgada hoje pelo Instituto Nacional das Infra-estruturas da Qualidade (INIQ), no quadro de uma estratégia e promoção de qualidade adoptada para evitar efeitos adversos à saúde e ao meio ambiente.

18/11/2021  Última atualização 09H35
Directora-geral do INIQ anuncia padronização da produção © Fotografia por: Contreiras Pipa| Edições Novembro
A directora-geral do INIQ, Olga Afonso, anunciou a divulgação quarta-feira (17), na abertura de um seminário sobre "Padronização e certificação de sistemas e produtos”,  um encontro que encerra, em Luanda.

Olga Afonso notou que as normas técnicas, "por  natureza, não vinculam os agentes económicos na sua generalidade, pelo que foram convertidas em regulamentos técnicos para os produtos passíveis de impacto negativo, caso não sejam observadas determinadas normas de produção”.

O ministro da Indústria e Comércio, Victor Fernandes, defendeu, no encontro,  modelos  de coordenação das infra-estruturas tendentes ao melhoramento progressivo da qualidade  da produção nacional como melhor forma de materializar o processo de  substituição das importações e a efectiva integração de Angola em mercados regionais.
Victor Fernandes garantiu que o Ministério da Indústria e Comércio, por via do INIQ, vai trabalhar no sentido de mitigar a ainda fraca cultura, prática e conhecimento técnico sobre a qualidade e suas implicações no fortalecimento da economia e melhoria do ambiente de negócios.

 Sob o tema "Sustentabilidade: melhorando os nossos produtos, pessoas e planeta”, as comemorações da 4ª Semana Nacional da Qualidade (SENAQ 2021) estão a ser marcadas pela apresentação de vários painéis e mesas redondas entre especialistas em implementação de sistemas de gestão de qualidade (ISO.9001:2015) e outras matérias afins.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia