Economia

Denunciada técnica que atenta contra o ecossistema

O presidente da associação dos pescadores do Cuanza-Sul, Bernardo Mateus, denunciou sexta-feira, no Porto Amboim, que a pesca artesanal com recurso ao cerco manual, vulgarmente conhecida por “rapa”, está a destruir as espécies, instando as autoridades a reforçarem a fiscalização marítima ao longo dos 172 quilómetros lineares de costa na região.

02/02/2020  Última atualização 07H15
Edições Novembro © Fotografia por: Redes criminosas capturam toneladas de peixe miúdo

Em declarações à Angop, o responsável sublinhou que, “ao longo de toda costa marítima, é visível a captura do peixe em fase de crescimento, especialmente a espada, camalesso, sardinha, camutongo e godinho”.
Referiu que alguns chegam a atingir apenas cinco centímetros, o que não é bom, pois reduz a biomassa disponível e desestabiliza o ecossistema.
“É difícil quantificar as toneladas de peixe miúdo capturado, dai que defendemos como medida, o reforço da fiscalização ao longo da orla marítima, tendo em conta ser uma pesca proibida”, alertou o responsável.
Bernardo Mateus instou à veda da pesca destas espécies nos meses de Janeiro a Março, como era feito antes da independência nacional, bem como a proibição da importação deste tipo de redes, operadas por 72 embarcações naquela província.
P armador de pesca semi-industrial António Agnelo Viegas acrescentou que se verifica uma expansão da “rapa”, que está proibida por lei que se afigura “uma autêntica destruição da biomassa”.
O chefe de Departamento de Pescas do Cuanza-Sul, Fernando Sanito, confirmou que este tipo de pesca está proibido, mas ter dificuldades para fiscalizar toda orla marítima devido à falta de equipamentos e meios, como lanchas. “Hoje mesmo efectuamos mais de 10 buscas e apreensões e aplicamos várias multas”, declarou.
Em 2019, a pesca artesanal resultou, no Cuanza-Sul, em capturas de 13.142 toneladas de pescado diverso, uma redução 8.472 toneladas em relação ao período anterior. O emprego no sector caiu de 2.901 para 1.919 postos de trabalho.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia