Regiões

Defendido em Benguela investimento no turismo

Júlio Gaiano | Lobito

Jornalista

A coordenadora da Agência de Turismo Kitanda das Viagens, Rebeca Barreiros, defendeu, segunda-feira, na cidade do Lobito, província de Benguela, mais investimentos no sector (turístico), de forma a promover o potencial socioeconómico e cultural do país a nível internacional.

28/07/2022  Última atualização 08H30
© Fotografia por: DR

Para o efeito, acrescentou, o Corredor do Lobito surge como uma das atracções para o investimento estrangeiro.

Rebeca Barreiros, que falava no momento da despedida de um grupo de visitantes estrangeiros, que, durante três dias, esteve na província de Benguela, admitiu tratar-se de um investimento de longo prazo, mas que é necessário para que Angola comece a posicionar-se no roteiro turístico a nível internacional. 

"O turismo deve merecer atenção especial da parte das nossas autoridades, a julgar pelos ganhos que o mesmo pode proporcionar para os diferentes sectores, como o dos Transportes,  Hotelaria,  Cultura, Desporto e a Migração. Toda a gente vai beneficiar com chegada de turistas. Na verdade, é um retorno lento, mas útil para a atracção de investimento estrangeiro, promovendo mais emprego aos cidadãos nacionais”, sublinhou.

A coordenadora da Agência de Turismo Kitanda das Viagens avançou que, para este ano, são esperados na cidade do Lobito 160 turistas de diferentes nacionalidades, numa operação projectada para quatro viagens, utilizando aviões e comboios da operadora sul-africana (Rovo Rails). O primeiro grupo de 15 elementos, que chegou de comboio dia 21 do mês em curso, apanhou o avião de regresso, segunda-feira, data em que escalou, no Aeroporto Internacional da Catumbela, o segundo grupo, para, dia 29, retornar de comboio para Victoria Falls (Zimbabwe).  

"Dia 29 chega o segundo comboio, vindo da Tanzânia, que vai fazer o mesmo trajecto que fez o primeiro, isto é, de Luau a Lobito, ficando aqui de 2 a 5 de Agosto, para de seguida entrar outro grupo. No segundo comboio espera-se 60 passageiros e o outro que regressa no quarto percurso, também com 60 viajantes. Ao todo, são aqui esperados 160 passageiros estrangeiros, que vêm visitar o país, utilizando o Corredor do Lobito”, precisou. Rebeca Barreiros disse que, entre os interessados em visitar o nosso país não consta nenhum cidadão da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) nem dos PALOP (Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa).

"Fazem parte dos roteiros cidadãos de nacionalidade americana, australiana, inglesa, norueguesa, neozelandesa, sul-africana, alemã, dinamarquesa, que manifestaram interesse em visitar e, quiçá, investir em Angola. Infelizmente, nenhum deles é dos países de expressão portuguesa”, revelou a coordenadora da operação Rails, que disse esperar que, num futuro próximo, os angolanos sigam o mesmo roteiro, na região Austral da África.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Regiões