Economia

Defendida reabilitação de estradas para aumento da receita aduaneira

Victorino Matias | Dundo

Jornalista

A reabilitação das estradas que dão acesso ao Posto de Controlo Aduaneiro do Marco 28 , município do Caungula, pode ser o ponto de partida para o aumento das receitas aduaneiras resultantes das trocas comerciais entre Angola e a República Democrática do Congo (RDC) desenvolvidas na Lunda-Norte, projectadas em 20 milhões kwanzas por mês.

31/07/2022  Última atualização 12H39
Governadores da Lunda-Norte e da província congolesa da Kwangu no Marco 28 da fronteira comum © Fotografia por: Benjamim Cândido | Edições Novembro | Lunda-Norte

O chefe de Departamento dos Serviços Aduaneiros da 7ª Região da Administração Geral Tributária (AGT), Camilo Savith, que prestou estas declarações à  imprensa, à margem da visita dos governadores provinciais da Lunda-Norte, Ernesto Muangala, e do Kwangu (RDC), Jean Marie Petypety , ao Marco 28, disse esperar-se o crescimento da receita pública com a reabertura da fronteira e a reactivação dos mercados para as trocas  comerciais.

Segundo o Camilo Savith, por ser um posto fronteiriço próximo da província de Kinshasa, capital da RDC, o  Marco-28 está situado num ponto estratégico, capaz de estimular o desenvolvimento social e económico da Lunda-Norte, donde parte a  necessidade de  se projectar a reabilitação das vias de comunicação, para ligação com a  Estrada Nacional 225 e facilitar o escoamento de mercadorias.

Camilo Savith afirmou que a AGT está a trabalhar na criação de condições técnicas e tecnológicas, com vista a formalização do comércio transfronteiriço com a República Democrática do Congo.  

 A ideia das autoridades da 7ª  Região Tributária , é colocar  as trocas comerciais do   Marco 28 , ao nível  das feitas  na fronteira do Luvu , Província do Zaíre , dada a sua localização geográfica com  as regiões de maior fluxo migratório e  económico da República Democrática do Congo , sublinhou Camilo Savith.

Por seu turno, o governador da Lunda-Norte, Ernesto Muangala garantiu que existem projectos da parte do Executivo angolano voltado na recuperação da via que dá acesso ao posto fronteiriço do Marco-28, até a Estrada Nacional 225.

Ernesto Muangala sublinhou que pretende-se, com isso, assegurar a promoção do comércio, turismo, circulação ordenada de cidadãos e o fortalecimento dos laços culturais com o povo da RDC.

O governador reconheceu que os mercados fronteiriços permitem elevar a base de arrecadação de receitas para os cofres do Estado e contribuir para o crescimento da economia.

 Particularmente na fronteira do Marco 28, a Agricultura, Pecuária e Pesca estão entre os principais sectores que dominam as trocas comerciais naquela região, disse Ernesto Muangala. 

Já o governador da +província congolesa do Kwangu  acredita que a retoma da actividade comercial, depois da pandemia da Covid-19, vai garantir sustentabilidade aos cidadãos que vivem ao longo da fronteira, sobretudo os da região de Kahemba.

Defendeu o reforço das acções de controlo da fronteira, através de reconstrução dos marcos e patrulhamento pelas forças policiais dos dois países, para se impulsionar a cooperação nas áreas dos transportes, telecomunicações e dinamização dos sectores da Agricultura, Pecuária e Pesca.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia