Cultura

Declamadora Azul Fênix promove recital de poesia

Analtino Santos

Jornalista

A escritora e declamadora Azul Fênix comemorou os seus 37 anos de carreira, em prol da declamação, com um recital de poesia, no Bar Oito e Ponto, actividade que teve como mestre de cerimónia o jornalista e actor Tomás Ferreira “Walter”.

08/06/2022  Última atualização 18H30
Declamadora celebra 37 anos anos de carreira com recital © Fotografia por: DR

Azul Fênix em momento de celebração brindou os presentes declamando poemas seus e de autores consagrados como "Opio”, "Sombras” e "Calumba” de Agostinho Neto, Castro Alves, Ernesto Lara Filho, António Jacinto e outros que têm sido regulares nas suas actuações.

A família demonstrou que a declamação está no sangue. Felizardo Cabanga o pai e principal mentor da homenageada mostrou que ainda conserva o que transmitiu à filha.

Numa noite de emoção, a música esteve presente nas vozes e guitarras de: Cirius Vibes, Crisio, Djeize e Romeu. A declamação e "spoken word” foram representadas nas actuações de  Bel Neto, África Gomes, António Paciência, Gino Sacra, Mess Ruffus, Nark Gaspar, Zola Ramos, Pedro Bégio, Kapa Afonso e D’Mag, o Hídrico. Houve momentos de humor com António Kapangu. 

Em declarações  ao Jornal de Angola, Azul Fênix resumiu: "foi um momento muito especial porque tive pessoas queridas. Fui agraciada com a presença da cantora e deputada Lina Alexandre, o amigo das letras e coordenador do Movimento Lev’Art, Kardo Bestilo, Filipa António e Liliano Pedro, ambos influenciadores digitais, admiradores e seguidores do meu trabalho e claro a minha família, meu porto seguro”.

Azul Fênix tem no mercado a obra "Vida Escritas”, um livro de poesia e disco e participação em várias antologias nacionais e estrangeiras: "Poemas de Berço e outros Versos”, "Cartas Intimas” e "Borboletas”.

É mentora do Movimento Elas e as Letras e do Projecto Terapêutico Conversa Aberta. Bacharel em psicologia de saúde sonha em ver a arte da declamação ser mais valorizada e cultivada.  

Azul Fênix Azul é o pseudónimo de Virgínia Felizarda Borba Cabanga Monteiro natural de Luanda, nascida em 19 de Março de 1982. É a primogénita de 15 irmãos. A filha da parteira Beatriz Borba começou a ganhar e desenvolver o gosto pela declamação ouvindo o pai, Felizardo Cabanga, o seu principal mentor que passou a arte para todos os seus filhos, mas desde cedo Azul Fênix se destacou.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Cultura